Violência tem jeito: para começar, sensibilidade

08 de setembro de 2020, 08:57

*Por Ana Rita Tavares –

As autoridades governamentais brasileiras ligadas à segurança pública, pelo que é divulgado nas mídias, não perceberam até agora o problema da violência relacionado com o comportamento agressivo de crianças e adolescentes contra animais. Não despertaram para a importância da chamada “Teoria do Link”, desenvolvida na América do Norte a partir de pesquisas científicas realizadas para aprofundar essa questão, que é óbvia: crianças e adolescentes violentos com os animais serão violentos com o próprio ser humano.

Há alguns anos, através da Associação Brasileira Terra Verde Viva, vínhamos apoiando e desenvolvendo importante trabalho de educação para o público infantojuvenil, a partir da criação de músicas (2005 – CD lançado com o apoio do Ministério Público da Bahia), aulas e exibição de vídeos, ao lado da reflexão sobre a alimentação vegetariana. Tudo tendo como base os princípios da não-violência e valores de respeito a todas as formas de vida, enfatizando a vida animal, que é ainda a mais desconsiderada culturalmente e passa distante do comportamento ético que deveria ter o animal humano.

Em “Maus-tratos aos animais e a violência contra as pessoas”, de Marcelo Robis Nassaro, capitão da PM paulista, colhem-se informações amplas sobre a produção científica nos Estados Unidos nessa linha de entendimento. Fernando Tapia (professor da Faculdade de Medicina do Missouri), em 1971, realizou pesquisa que intitulou “Crianças que são cruéis com os animais”, reportando-se, dentre outros, ao trabalho Enuresis, Firesettingand Cruelty to Animals: A Triad Predective of Adult Crime, publicado por Daniell S. Helmann e Nathan Blackman, em 1966. Seus estudos sugerem que a enurese (incontinência urinária) persistente, atos incendiários frequentes e a crueldade com animais, que formam a tríade de comportamentos, “quando presentes de forma concomitante em crianças ou adolescentes, podem indicar que serão pessoas violentas no futuro”.

Os psicólogos Mary Louise Petersen e David P. Farrinton, apontando o psiquiatra forense e pesquisador Jonh Marshall Macdonald como precursor de estudo dessa natureza, em 1963 (“A ameaça de matar”), já anunciavam a importância da tríade do sociopata ou tríade Macdonald, que tinha a crueldade com animais como um dos ingredientes que compunham o comportamento violento de pessoas contra pessoas.

A pesquisa de Helmann e Blakman analisou 84 prisioneiros adultos do Centro de Saúde Mental de St. Louis, no Missouri, EUA, dos quais 31 foram condenados por crimes violentos contra pessoas. Na infância, estes apresentavam a tríade comportamental. Do restante, 15 apresentaram a tríade completa ou de forma parcial. Isso fez os pesquisadores concluírem que a “presença da tríade na infância ou adolescência poderia ser um prognóstico de comportamento antissocial violento futuro, ou seja, quanto mais cedo fosse detectada a tríade, mais cedo se evitariam crimes violentos no futuro”.

Em Cabo, na África do Sul, onde os índices de homicídio e outros crimes cometidos contra pessoas e animais eram alarmantes, foi implementado um programa de educação por uma ONG humanitária, iniciado na casa de detenção da cidade, que transformou a agressividade dos detentos a partir dos cuidados que eles passaram a ter com pássaros que lhes foram entregues.

Nosso objetivo na via do ativismo, e agora como parlamentar, é despertar nossos governantes para esse aspecto da violência. À falta de valorização desse foco no trabalho de prevenção, muito deixa de ser feito e vidas são ceifadas diuturnamente. A inclusão desse elemento construtor da paz no sistema de educação das escolas públicas e privadas ajudaria a controlar a violência.

Entendendo que esse é um assunto de interesse suprapartidário, convocamos os governantes e os gestores públicos a unir forças nessa direção. Em Catu (BA), a juíza de direito da Vara da Infância e Adolescência apresentou declaração formal à Terra Verde Viva, reconhecendo que o trabalho educativo realizado na rede municipal de ensino daquele município, em 2011, diminuiu a incidência de infração cometida por menores.

*Vereadora de Salvador (PT), advogada e ativista em defesa dos direitos animais

Os 7 alimentos que são ladrões de energia

Você provavelmente já ouviu falar e leu bastante sobre alimentos e suplementos que aumentam sua disposição e te deixam mais animado para encarar um treino ou até mesmo as tarefas do dia a dia. Mas também existe o outro lado dessa moeda. Não faltam vilões neste mundo na nutrição: os alimentos que são ladrões de energia e podem atrapalhar bastante sua rotina na corrida ou até mesmo se tornar um obstáculo numa prova.

Esses “ladrões” de energia atuam de diferentes maneiras no organismo. Em alguns casos, oferecem tanto açúcar que, num primeiro momento, essa elevada taxa de glicose resulta em mais disposição, mas, logo em seguida, a insulina liberada para normalizar essa glicose faz justamente o caminho contrário. E aí o cansaço chega com tudo.

Também tem aqueles alimentos que dão tanto trabalho para o sistema digestivo que muitos nutrientes são desviados para ajudar nesse processo, fazendo com que eles faltem na produção de energia em outras funções do organismo. Resultado: o corpo logo sente essa queda de disposição.

Para te ajudar a evitar esse cansaço causado pela má alimentação, acionamos três especialistas para fazer uma lista dos maiores ladrões de energia, suas principais armas e como combatê-las. Confira!

Os ladrões de energia 

Carboidratos simples

Alimentos com farinhas brancas vão roubar energia se consumidos em excesso. “Em um pré-treino, por exemplo, são aliados, mas viram vilões se não houver uma atividade física depois”, pondera Mayara Ferrari, nutricionista funcional esportiva. “Isso acontece porque a quantidade de açúcar no sangue fica muito elevada e o pâncreas libera mais insulina para quebrar todos esses carboidratos. Isso pode causar uma grande redução de açúcar no sangue, resultando em fadiga e falta de energia.”

Sal

Aquele sal extra para dar mais gosto à comida pode te deixar mais cansado. Em quantidade exagerada, o sal aumenta a pressão arterial e deixa o organismo mais desidratado porque mais água é necessária para compensar. “Ele prejudica o funcionamento adequado do organismo, que ficará a todo momento buscando esse equilíbrio. Isso dará uma sensação de cansaço e fadiga. Esporadicamente um pouco de sal não tem problema, mas abusar dele diariamente ou usar em grande quantidade é bastante prejudicial”, adverte Mayara.

Alimentos gordurosos e frituras

A gordura em excesso dificulta a digestão e atrapalha a chegada dos nutrientes à corrente sanguínea. “Como possuem uma digestão mais
lenta, eles fazem com que a circulação se concentre na região abdominal por mais tempo. Isso causa uma sensação de letargia e sonolência durante a digestão, que pode passar de três horas. E isso não é bom para quem vai se exercitar, pois precisará de boa circulação nos membros”, alerta a nutricionista Lara Natacci.

Doces

A lógica nesse caso é parecida à dos carboidratos simples: como eles são ricos em açúcar, dão um pico de energia no primeiro momento porque aumentam a quantidade de glicose no sangue, mas se a pessoa não for praticar uma atividade física logo em seguida, essa disposição logo pode virar cansaço. “O organismo vai aumentar a secreção de insulina para normalizar a glicemia, que é a quantidade de glicose no sangue. Por isso, a sensação de aumento de energia deve durar pouco e dar lugar à fadiga”, reforça Lara Natacci.

Café

O café, um dos estimulantes mais populares, também pode roubar sua energia. Ele realmente gera mais disposição num primeiro momento, mas sua ação no sistema nervoso tem como um dos efeitos a fadiga. “A cafeína, no cérebro, obstrui os efeitos da adenosina, substância que ajuda na transferência de energia e na promoção do sono, dando o efeito estimulante”, explica André Lemos, médico nutrólogo. “Por outro lado, também inibe a degradação da acetilcolina, que aumenta o estímulo muscular. E a consequência disso são o cansaço e a debilidade”, completa.

Corantes e conservantes

Presentes em muitos produtos industrializados, como nuggets, embutidos (salame, presunto, mortadela, peito de peru) e salsichas, eles
modificam o funcionamento adequado do organismo, que tenta repor o que os corantes “tiram” no processo de digestão. “Eles causam uma cascata de processos inflamatórios e oxidantes. Para reverter essa situação, disponibilizamos muitas vitaminas e minerais, fazendo com que o restante do organismo não funcione adequadamente”, destaca Mayara.

Refrigerante

O refrigerante é um dos “ladrões de energia” mais temidos. Alguns maratonistas e ultramaratonistas o utilizam durante provas quando já estão acostumados a seus efeitos, inclusive psicológicos, mas, para o organismo, eles não têm nada de “bonzinhos”. Isso porque o refrigerante, em geral, tem tudo em excesso: açúcar, sódio e corantes. Assim, desencadeia todos os processos já descritos de uma só vez. Além disso, estudos apontam que o refrigerante ainda pode atrapalhar o padrão de sono, prejudicando o descanso e interferindo na disposição.

VÍDEOS