Sabia que beber água em determinados momentos do dia engorda

15 de julho de 2019, 12:38

(Foto: Divulgação)

Beber enquanto come pode engordar, já que o hábito aparentemente inocente dilata o estômago, fazendo com que caiba cada vez mais comida nesse órgão

Ao ingerir água enquanto almoça ou janta, com o tempo a tendência é comer mais em cada refeição. Isso acontece por que a informação de estar satisfeito chega mais tarde ao cérebro, já que o estômago necessita de mais comida se sentir saciado.

Além disso, beber durante a refeição engorda na medida em que os líquidos ‘roubam’ espaço dos alimentos sólidos no estômago o que faz com que a pessoa pare de comer mais cedo, mas por outro lado o indivíduo fica com fome mais rapidamente, aumentando assim a probabilidade de devorar a refeição seguinte.

Outros líquidos como sucos, refrigerantes ou bebida alcoólicas, aumentam as calorias da refeição assim como a tendência à fermentação que pode gerar por sua vez gases e provocar mais arrotos. Por isso, é contra indicado beber enquanto come para quem sofre com refluxo ou dispepsia, que consiste na dificuldade em digerir normalmente os alimentos. 

Quanto tempo antes ou depois de comer devo beber?

Até 30 minutos antes e 30 minutos depois da refeição é possível ingerir líquidos sem que estes atrapalhem na digestão. Porém, na hora da refeição não é o momento ideal para ‘matar a sede’ e o hábito de se hidratar durante o dia e fora das refeições é importante para diminuir a necessidade de beber durante as refeições.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS