Refluxo: Saiba como diagnosticar e se proteger contra esse desconforto nas festas

28 de dezembro de 2020, 17:24

(Foto: Reprodução)

O clima de fim de ano traz muitas lembranças: comida, bebida, diversão. Mas, dependendo do nosso estado psicológico e até das guloseimas e bebidas alcóolicas que consumimos durante esse período, o refluxo pode acabar com a nossa festa.

Segundo Eduardo Grecco, gastrocirurgião e endoscopista do Instituto EndoVitta, o refluxo é o retorno do suco gástrico ácido do estômago para o esôfago. Ele ocorre pelo aumento da acidez gástrica devido aos hábitos alimentares e comportamentais errados.

“Comer rápido, não mastigar várias vezes, alimentação rica em gorduras e doces, bebidas alcoólicas, café, chocolate, refrigerantes, fumo, obesidade e estresse são alguns dos motivos para desenvolvermos o problema”, diz.

Durante a gravidez, o refluxo pode estar bastante presente no dia a dia da gestante. “Esse problema aparece devido às alterações hormonais que deixam o fluxo intestinal mais lento e devido ao crescimento do feto, que comprime o estômago e força a comida para cima”, continua Eduardo. 

Os sintomas, por outro lado, são muito diversos e vão além da dor de estômago e tosse:

 –Azia ou queimação;

 Dor epigástrio;

 Dor torácica;

 Tosse noturna

 Engasgos;

 Regurgitação;

 Vômitos;

 Dor de garganta;

 Sinusite e faringite.

O médico ainda ressalta que refluxo não tem cura, mas, sim, tratamento. “Mudança de hábitos: como não deitar após comer, evitar certos alimentos, travesseiro anti-refluxo, inibidores de bomba de prótons e também os bloqueadores de canal.”

Para diagnosticar o problema é preciso realizar alguns exames: endoscopia digestiva, manometria esofágica e  pHmetria esofágica. 

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS