Hoje é o dia de São Francisco

04 de outubro de 2020, 08:14

(Foto: Reprodução)

Por Montiez Rodrigues – 

O santo que mais respeito na hagiografia católica é São Francisco de Assis, o medieval Francesco Bernadoni. Uma das mais belas cidades e de povo mais lindo que conheci foi San Francisco, na Califórnia. Velho Chico é o rio São Francisco que se esparrama banhando quatro estados nordestinos e agora, com sua transposição, adentra-se, também, pelo Piauí, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. Francisco é Jorge Mario Bergoglio, nosso papa. Meu pai era Francisco, tenho ainda uma tia de nome Francisca e namorei uma Chiquinha, apesar de detestar as chiquititas. Santo ecológico, bem que empunharia a bandeira que a sueca Greta Thunberg agora agita.

Ganhei de batismo este nome porque um padre francês François Demontieux foi quem chefiou a delegação que trouxe ao Brasil a efígie original de Nossa Senhora de Fátima para uma peregrinação por todo o território nacional e que, quando minha mãe engravidou de mim, este padre passava uns dias em Juazeiro do Norte, onde nasci. O padre de pele morena tostada pelo sol da costa mediterrânea, a famosa Cote d’Azur francesa, era tão bonito que impressionou profundamente as jovens caririenses da época, entre elas minha mãe. Às vezes, desconfio que sou filho deste padre. Se eu fosse mais bonito, teria certeza! Por outro lado, talvez isto explique todo este amor que tenho pela língua e pela cultura francesa. Os nomes de meus filhos são franceses: Isabelle, Marianne e Brunnell. Até mesmo minha frustrada vocação pra ser padre ou frade franciscano pode ter se derivado disto.

Novas pesquisas científicas revelaram que as chagas de São Francisco de Assis eram lepra que ele havia adquirido em destemido e íntimo contato com os leprosos da época. Não eram as chagas de Cristo, como a Santa Madre Igreja Católica Apostólica Romana fez o mundo acreditar nesta mentira que durou séculos. O best seller A CONSPIRAÇÃO FRANCISCANA também faz revelações do tipo. Então São Francisco das Chagas não tinha chagas; São Francisco do Oeste era do Nordeste; o do Canindé nem cantava nem tocava violão como o Canindé baiano; o do Conde não era nobre; o de Paula não era sambista nem nunca tinha visto um piano; o Xavier não era chaveiro; São Francisco do Sul era nortista e os outros Sãos Franciscos, todos eles milagreiros e que, apesar desta miríade de nomes, dá tudo no mesmo na hora de apelar para o Santo: VALEI-ME, MEU SÃO FRANCISCO!

Ainda bem que o futuro São Francisco Demontiez possui as mãos limpas, é do Cariri, canta e escreve nas areias do Facebook. Não é nobre, não fabrica chaves e nem toca piano. No futuro, alguns o chamarão apenas de São Chico ou Santo Demo para diferenciá-lo dos Sãos Franciscos algures.

Nestes tempos conturbados, de ameaças ao meio ambiente com a derrubada de florestas e incêndios criminosos na Amazônia, no pantanal e na mata do cerrado; de racismo e xenofobia exarcebados; e de uma concentração de renda tão cruel, seria tão bom se todos ao dormir e ao levantar pedissem tudo o que se reza na ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO:
“Senhor, fazei de mim um instrumento da tua paz…”

Os 7 alimentos que são ladrões de energia

Você provavelmente já ouviu falar e leu bastante sobre alimentos e suplementos que aumentam sua disposição e te deixam mais animado para encarar um treino ou até mesmo as tarefas do dia a dia. Mas também existe o outro lado dessa moeda. Não faltam vilões neste mundo na nutrição: os alimentos que são ladrões de energia e podem atrapalhar bastante sua rotina na corrida ou até mesmo se tornar um obstáculo numa prova.

Esses “ladrões” de energia atuam de diferentes maneiras no organismo. Em alguns casos, oferecem tanto açúcar que, num primeiro momento, essa elevada taxa de glicose resulta em mais disposição, mas, logo em seguida, a insulina liberada para normalizar essa glicose faz justamente o caminho contrário. E aí o cansaço chega com tudo.

Também tem aqueles alimentos que dão tanto trabalho para o sistema digestivo que muitos nutrientes são desviados para ajudar nesse processo, fazendo com que eles faltem na produção de energia em outras funções do organismo. Resultado: o corpo logo sente essa queda de disposição.

Para te ajudar a evitar esse cansaço causado pela má alimentação, acionamos três especialistas para fazer uma lista dos maiores ladrões de energia, suas principais armas e como combatê-las. Confira!

Os ladrões de energia 

Carboidratos simples

Alimentos com farinhas brancas vão roubar energia se consumidos em excesso. “Em um pré-treino, por exemplo, são aliados, mas viram vilões se não houver uma atividade física depois”, pondera Mayara Ferrari, nutricionista funcional esportiva. “Isso acontece porque a quantidade de açúcar no sangue fica muito elevada e o pâncreas libera mais insulina para quebrar todos esses carboidratos. Isso pode causar uma grande redução de açúcar no sangue, resultando em fadiga e falta de energia.”

Sal

Aquele sal extra para dar mais gosto à comida pode te deixar mais cansado. Em quantidade exagerada, o sal aumenta a pressão arterial e deixa o organismo mais desidratado porque mais água é necessária para compensar. “Ele prejudica o funcionamento adequado do organismo, que ficará a todo momento buscando esse equilíbrio. Isso dará uma sensação de cansaço e fadiga. Esporadicamente um pouco de sal não tem problema, mas abusar dele diariamente ou usar em grande quantidade é bastante prejudicial”, adverte Mayara.

Alimentos gordurosos e frituras

A gordura em excesso dificulta a digestão e atrapalha a chegada dos nutrientes à corrente sanguínea. “Como possuem uma digestão mais
lenta, eles fazem com que a circulação se concentre na região abdominal por mais tempo. Isso causa uma sensação de letargia e sonolência durante a digestão, que pode passar de três horas. E isso não é bom para quem vai se exercitar, pois precisará de boa circulação nos membros”, alerta a nutricionista Lara Natacci.

Doces

A lógica nesse caso é parecida à dos carboidratos simples: como eles são ricos em açúcar, dão um pico de energia no primeiro momento porque aumentam a quantidade de glicose no sangue, mas se a pessoa não for praticar uma atividade física logo em seguida, essa disposição logo pode virar cansaço. “O organismo vai aumentar a secreção de insulina para normalizar a glicemia, que é a quantidade de glicose no sangue. Por isso, a sensação de aumento de energia deve durar pouco e dar lugar à fadiga”, reforça Lara Natacci.

Café

O café, um dos estimulantes mais populares, também pode roubar sua energia. Ele realmente gera mais disposição num primeiro momento, mas sua ação no sistema nervoso tem como um dos efeitos a fadiga. “A cafeína, no cérebro, obstrui os efeitos da adenosina, substância que ajuda na transferência de energia e na promoção do sono, dando o efeito estimulante”, explica André Lemos, médico nutrólogo. “Por outro lado, também inibe a degradação da acetilcolina, que aumenta o estímulo muscular. E a consequência disso são o cansaço e a debilidade”, completa.

Corantes e conservantes

Presentes em muitos produtos industrializados, como nuggets, embutidos (salame, presunto, mortadela, peito de peru) e salsichas, eles
modificam o funcionamento adequado do organismo, que tenta repor o que os corantes “tiram” no processo de digestão. “Eles causam uma cascata de processos inflamatórios e oxidantes. Para reverter essa situação, disponibilizamos muitas vitaminas e minerais, fazendo com que o restante do organismo não funcione adequadamente”, destaca Mayara.

Refrigerante

O refrigerante é um dos “ladrões de energia” mais temidos. Alguns maratonistas e ultramaratonistas o utilizam durante provas quando já estão acostumados a seus efeitos, inclusive psicológicos, mas, para o organismo, eles não têm nada de “bonzinhos”. Isso porque o refrigerante, em geral, tem tudo em excesso: açúcar, sódio e corantes. Assim, desencadeia todos os processos já descritos de uma só vez. Além disso, estudos apontam que o refrigerante ainda pode atrapalhar o padrão de sono, prejudicando o descanso e interferindo na disposição.

VÍDEOS