Devo usar máscara nas ruas para me proteger do coronavírus?

01 de abril de 2020, 06:06

Com o cenário de pandemia, pessoas que não estão infectadas pelo novo coronavírus não devem usar máscaras, avaliam especialistas (Foto: Reprodução)

O mundo enfrenta uma escassez de máscaras com a explosão no número de casos de COVID-19, informa a agência de notícias Associated Press. A situação é tão grave que a Comissão Conjunta, que credencia hospitais dos EUA, disse nesta terça-feira (31) que, se as instalações não puderem fornecer máscaras adequadas, os profissionais de saúde poderão trazer as suas de casa.

Os profissionais de saúde da linha de frente têm maior necessidade de máscaras. E quando as pessoas estão doentes, usar uma máscara ajuda a diminuir as chances de infectar outras pessoas. Em locais onde os parentes cuidam dos doentes em casa, a Organização Mundial da Saúde (OMS) também recomenda o uso de máscara.

Mas “não há evidências específicas para sugerir que o uso de máscaras pela população de maneira massiva tenha algum benefício específico”, disse Mike Ryan, chefe de epidemias da OMS. “De fato, existem evidências que sugerem o contrário”, acrescentou, observando os riscos de uma máscara inadequadamente ajustada.

A principal diretriz dos especialistas para se proteger, avaliam os especialistas, é sair de casa o mínimo necessário, lavar as mãos com frequência, evitar tocar o rosto se suas mãos não estiverem higienizadas e manter uma distância de 1,5 metro de pessoas em vias públicas. 

“Sério gente, parem de comprar máscaras!”, disse o cirurgião-geral Jerome Adams. “As máscaras não são eficazes para impedir que o público em geral pegue o coronavírus, mas se os prestadores de serviços de saúde não conseguirem usá-las para cuidar de pacientes doentes, isso colocará os prestadores de serviço de saúde e nossas comunidades em risco”.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS