Xiaomi cria lâmpada que promete matar até 99% dos vírus e bactérias

26 de janeiro de 2020, 19:04

A Xiaomi traz à tona uma lâmpada que promete, também, eliminar os vírus presentes no ar de um ambiente (Foto: Reprodução)

Enquanto o novo tipo de coronavírus causa danos e se alastra pela China (e pelo mundo), a Xaom8, não ficou de braços cruzados. A empresa já anunciou a doação de máscaras para tentar conter o contágio entre humanos, além de termômetros para ajudar na detecção dos sintomas.

Além disso, a companhia também faz um alerta para em tempo real pelo assistente de voz XiaoAI sobre a situação atual do que parece ser uma epidemia.

Curiosamente, no momento em que esse novo tipo de vírus se alastra e começa a causar pânico, a própria Xiaomi traz à tona uma lâmpada que promete, também, eliminar os vírus presentes no ar de um ambiente. Produzida por uma de suas subsidiárias, a Youpin, a lâmpada também ilumina o ambiente, claro, e alerta sobre a presença dos mais conhecidos vírus no local.

Lâmpada emite raios UVC para matar até 99,99% agentes infecciosos presentes no ambiente (Foto: Divulgação)

Lâmpada emite raios UVC para matar até 99,99% agentes infecciosos presentes no ambiente

O produto está na plataforma de financiamento coletivo da Youpin, mas considerando que a promessa é alta e que o timing parece ter sido quase perfeito, a arrecadação deve superar muito as expectativas. No momento em que esta matéria e produzida, já foi levantado mais de 730% do esperado, somando mais de 2 milhões de yuan chinês (o que dá um pouco mais de US$ 314.000). Já são quase 15.000 apoiadores.

De fato, é um produto muito atrativo pelo valor pedido: pouco mais de US$ 20 cada unidade. E a promessa é alta: a lâmpada elimina 99,99% dos vírus e bactérias presentes em um ambiente entre 20 m² e 30 m². O dispositivo parece uma lâmpada vertical, com tubos de LED no centro. E é compatível com todo o ecossistema da Xiaomi.

E como funciona?

A lâmpada tem dimensões de 245 x 120 x 120 mm e é construída em plástico e metal. A diferença é que, além da iluminação, ela também emite raio UVC, usados para esterilizar ambientes. Isso é suficiente para atrapalhar a cadeira reprodutiva de bactérias como E. Coli e Staphylococcus, algumas das mais comuns em intoxicação alimentar. Mas, infelizmente, não deve ajudar muito no combate do novo coronavírus chinês.

Para agentes infecciosos mais resistentes, existe o alerta para a presença de vírus e bactérias emitido pela lâmpada, que faz um som quando a esterilização não é suficiente para algum agente que permanece no ar. Ou seja, além de te proteger de uma boa gama de doenças, também avisa se há necessidade de um cuidado extra. Porém, jamais descuide da higiene básica.

Produto tem autonomia de até 9.000 horas e pode ser controlado remotamente por app (Foto: Divulgação)Produto tem autonomia de até 9.000 horas e pode ser controlado remotamente por app

A lâmpada funciona a bateria e tem autonomia para impressionantes 9.000 horas de uso. O usuário pode controlar remotamente pelo aplicativo Mi Home, pelo qual possivelmente já controla boa parte da casa hoje em dia.

Não há informações ainda se o produto está previsto para chegar ao mercado ocidental, mas considerando o tremendo sucesso de seu financiamento coletivo, é bem provável que sim. O lançamento está previsto para o dia 5 de março.

Fonte: Youpin, Xiaomi Today

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS