Vazão do São Francisco dobra nesta quarta-feira, 1º e deve provocar alagamentos

01 de abril de 2020, 05:41

O aumento da vazão, que cumpre resolução da Agência Nacional de Águas (ANA), deverá provocar alagamentos nas áreas ribeirinhas (Foto: Chesf)

A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) alertou na noite desta terça-feira, 31, que, devido ao reservatório de Sobradinho já ter ultrapassado 60% do seu volume útil, a vazão do Rio São Francisco dobrará, a partir desta quarta-feira, 1º de abril, passando dos atuais 550 para 1.100 metros cúbicos por segundo.

Na prática, o aumento da vazão, que cumpre resolução da Agência Nacional de Águas (ANA), deverá provocar alagamentos nas áreas ribeirinhas em cidades como Piranhas e Pão de Açúcar.  A orientação é de que residências e estabelecimentos comerciais da área sem desocupados.

O coordenador da Defesa Civil estadual, Moisés Pereira, reforçou a necessidade de prevenção, com a saída da população ribeirinha.

“Vai elevar as águas da parte do baixo São Francisco, do Xingó até a foz. Consequentemente, aqueles bares ribeirinhos e casas, que foram construídos às margens do rio poderão ficar alagados. Com certeza, amanhã teremos vários pontos, principalmente mais próximo às barragens, onde estão os bares e restaurantes de Piranhas, Pão de Açúcar e Canindé do São Francisco. Com certeza terão suas áreas alagadas”, alertou.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS