Uma cerveja por dia aumenta longevidade e diminui risco de demência

01 de junho de 2020, 12:10

Estudo revela ainda que a bebida alcoólica contraria a insôniase previne obesidade (Foto: Reprodução)

Cientistas apuraram que alguns tipos de cerveja estão repletos de probióticos altamente benéficos para a saúde. 

Afirmando assim, que beber uma cerveja por dia “pode ser bastante bom para o organismo”, protegendo contra a obesidade, insônia e demência. 

Os acadêmicos descobriram que cervejas belgas em especial – tais como Hoegaarden, Westmalle Tripel e Echt Kriekenbier – são particularmente ricas em levedura probiótica, que se crê ser particularmente eficaz contra a doença de Alzheimer (o tipo mais comum de demência”, autismo e câncer de intestino. 

Ao invés da maioria destas bebidas alcoólicas, as variedades belgas referidas são duplamente fermentadas, uma vez na destilaria e novamente na garrafa. Processo este que torna a cerveja mais forte. 

Mais ainda, a fermentação na garrafa recorre ao uso de diferentes estirpes de levedura relativamente às encontradas nas cervejas tradicionais.

Não só converte o açúcar em álcool, como produz ácidos que matam bactérias potencialmente perigosas para a saúde.

O professor Eric Claassen, especialista em saúde intestinal na Universidade de Amesterdã, disse: “em concentrações elevadas, o álcool é prejudicial para o intestino, todavia beber apenas uma destas cervejas diariamente é benéfico”.

Uma outra pesquisa, realizada por pesquisadores da Universidade de Nebraska, nos Estados Unidos, apurou que uma única cerveja contém até 50 milhões de probióticos. 

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS