Trabalhadores reclamam que saque de R$ 1.045 do FGTS não tem nada de emergencial

16 de junho de 2020, 11:36

A Caixa divulgou o calendário do saque de R$ 1.045 do FGTS (Foto: Reprodução)

A divulgação do calendário do saque emergencial de R$ 1.045 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) frustrou diversas pessoas, principalmente aqueles trabalhadores que fazem aniversário em dezembro, porque só vão ter o valor creditado em setembro, se tiverem a conta digital no Caixa Tem, e, para saque e transferência, o saldo do FGTS só será liberado em novembro.

A Caixa Econômica Federal anunciou, neste sábado (13), as datas de pagamento, que vai depender da data de aniversário do beneficiário. A retirada do valor foi autorizada pela Medida Provisória (MP) nº 946/2020, em virtude da pandemia do novo coronavírus.

Diversos usuários reclamaram do calendário nas redes sociais e discordaram do caráter emergencial do saque. Foi o caso do publicitário Phablo Dill, 26 anos, que faz aniversário em dezembro e não tem a conta no Caixa Tem, com isso, Phablo só poderá mexer em seu saldo em novembro.

O publicitário mora em Curitiba, no Paraná, e se preocupa em não conseguir mexer no valor imediatamente, já que pode precisar por causa da instabilidade do mercado de trabalho, pois houve uma diminuição da demanda de seu trabalho.

— Atualmente eu estou trabalhando em home office. Eu moro com mais três pessoas, e dessas três só uma trabalha. As outras estão até agora esperando a aprovação do auxílio emergencial — contou.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263)

Phablo acha injusto o calendário divulgado pela Caixa, porque tem amigos que estão desempregados e o acesso imediato ao saldo do FGTS poderia aliviar nas contas domésticas.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS