Tomar a pílula provoca ansiedade e causa depressão?

02 de novembro de 2019, 16:31

Estima-se que cerca de 100 milhões de mulheres em todo o mundo tomem a pílula anticoncepcional (Foto: Reprodução)

Não há como negar que a pílula revolucionou a saúde sexual feminina. E embora os efeitos colaterais (bons e maus) associados ao medicamento já sejam do conhecimento da ciência — risco reduzido de cancro dos ovários, melhoria da saúde da pele, maior risco de cancro da mama — ainda há poucas pesquisas sobre a relação entre a toma da pílula e a intensificação da ansiedade e sentimentos de depressão. 

De acordo com um estudo publicado no periódico científico Human Brain Mapping existe uma ligação entre a pílula e o estado mental. Cientistas da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, nos Estados Unidos, estudaram 90 mulheres — sendo que 44 tomavam o medicamento. Os investigadores compararam a espessura de diferentes áreas do cérebro entre os dois grupos.

E apuraram que duas regiões específicas — o córtex orbitofrontal lateral e o córtex cingulado posterior — pareciam ser mais finas entre as voluntárias que tomavam a pílula, comparativamente às que não o faziam. A saber o córtex orbitofrontal lateral é responsável por ajudar a regular as emoções em resposta a estímulos externos; enquanto o córtex cingulado posterior ajuda a avaliar nosso estado mental.

Dado que as hormônios sexuais influenciam fortemente o cérebro e o sistema nervoso, faz sentido que a pílula possa ser a razão pela qual algumas mulheres experienciam sintomas de ansiedade e depressão enquanto tomam o anticoncepcional. 

Mas, atenção. O estudo está longe de ser conclusivo, e os cientistas admitem que serão necessárias mais pesquisa subsequentes para concluir definitivamente a associação entre o popular anticoncepcional e a deterioração da saúde mental. 

Geetha Venkat, médica na conceituada Harley Street Fertility Clinic, no Reino Unido, concorda que pode haver um link indireto entre as duas coisas. “Os efeitos colaterais mais comuns da pílula incluem mudanças de humor. Em mulheres com tendência a sofrer de ansiedade, depressão ou ataques de pânico, isso pode sim aumentar os sintomas e a sua gravidade”, explicou em declarações ao jornal britânico The 

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS