Sofre de depressão ou ansiedade? 3 bons motivos para praticar exercício

19 de outubro de 2019, 07:49

Não ficar parado é uma das formas de prevenir ou atenuar os sintomas de doenças mentais, principalmente da depressão e ansiedade (Foto: Reprodução)

Depressão e ansiedade são os transtornos mentais mais frequentes em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que globalmente mais de 300 milhões de pessoas sofram de depressão. Em casos mais graves, a patologia debilitante do foro psicológico pode levar ao suicídio.

De acordo com os dados da OMS, ocorre um suicídio a cada 40 segundos. Mais de 90% dos casos de suicídio estão relacionados a distúrbios mentais, o que significa que pode ser possível evitá-los se as causas forem tratadas corretamente. 

“A expressão de ideias ou intenções suicidas, como o desejo de desaparecer ou de dormir e nunca mais acordar, também são sinais claros de um potencial suicida. O isolamento (pessoal ou nas redes sociais), a mudança de comportamento, o não comparecimento ao trabalho ou às atividades sociais também podem indicar o risco de suicídio”, completa Renata.

De acordo com o professor Michael Craig Miller, da Harvard Medical School, nos Estados Unidos, o tratamento para a depressão envolve psicoterapia e uso de medicamentos. Uma das alternativas não-farmacológicas para o tratamento da depressão é a atividade física. Em algumas pessoas, a prática regular de exercícios funciona tão bem quando os antidepressivos.

Os três principais motivos para incentivar a atividade física para pessoas com quadro depressivo:

1. Prática de exercício e bem-estar: o exercício físico desencadeia uma cascata biológica de eventos com diversos efeitos benéficos sobre a saúde, como melhor controle da diabetes e da hipertensão e redução do risco cardiovascular.

Exercícios realizados em alta intensidade liberam endorfina na corrente sanguínea, gerando sensação de bem-estar. Exercícios de baixa intensidade realizados frequentemente liberam elementos de crescimento neuronais, que criam novas conexões neurológicas. A melhoria da função cerebral faz com que nos sintamos melhor.

O hipocampo é a região cerebral  que controla o nosso humor e tem um tamanho menor em pessoas com depressão. O exercício auxilia no aumento do hipocampo, otimizando as suas conexões neurais e ajudando a melhorar os sintomas da depressão.

2. Pontapé na prática de exercício para pacientes com depressão: se muitas pessoas saudáveis já se sentem relutantes em se exercitarem, começar uma atividade física é ainda mais difícil em pacientes com depressão. A depressão, em geral, é acompanhada por distúrbios do sono, cansaço, alterações do apetite e até mesmo aumento da percepção de dor em diferentes partes do corpo.

É importante que o paciente tenha apoio para sair desse ciclo de inatividade. Começar aos poucos e com atividades que sejam prazerosas pode ser a chave para combater o sedentarismo em pacientes com esse distúrbio mental. Aos poucos, cinco minutos vão transformar-se em 10, 15, 20 minutos. Ainda não se sabe quanto tempo de atividade física é necessário para que o hipocampo sofra as alterações estruturais desejáveis, mas a maioria dos pacientes já exibe uma melhoria no alivio dos sintomas após algumas semanas de atividade física regular.

3. Medicina do desporto como aliada: é importante ter em conta que o exercício não é uma ‘vacina’ e, assim como com os benefícios cardiovasculares, os benefícios psiquiátricos da atividade física só serão mantidos se o indivíduo continuar a exercitar-se regularmente. A medicina do desporto é uma grande aliada no início e manutenção de uma vida ativa. 

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS