Sabia que escovar os dentes logo após refeição não é aconselhável?

09 de janeiro de 2020, 16:18

O hábito pode danificar o esmalte dos dentes. (Foto: Reprodução)

Provavelmente nem pensa nisso, mas alguns hábitos corriqueiros podem acarretar consequências nada benéficas para a saúde bucal, ameaçando o lado estético do sorriso e a função mecânica dos dentes. 

O esmalte dental é a parte mais dura do organismo e a única proteção real que os dentes têm contra ataques externos, principalmente da placa bacteriana. Por esta razão, preservá-lo é fundamental para manter o seu sorriso saudável, segundo o UOL.

Não é novidade que fumar é definitivamente um dos piores hábitos para os seus dentes, mas existem outros, que podem não ser assim tão óbvios…

Mas, afinal por que não devo escovar os dentes logo após comer?

A recomendação de escovar os dentes logo após as refeições deve-se ao fato de que alguns alimentos, como batatas fritas, sucos cítricos, bebidas com gás e alcoólicas, são ácidos. “O problema é que o esmalte começa imediatamente a perder cálcio, o que torna o dente menos rígido, e a escovação só piora a situação”, explica Carlos Llondra Calvo, da Universidade de Granada, em Espanha

O profissional recomenda aguardar entre 20 a 30 minutos para escovar os dentes, o tempo necessário para que o ácido seja neutralizado e o cálcio que se encontra dissolvido na saliva volte a fixar-se ao esmalte.

O mesmo ocorre com o vômito. Sim, leu bem. Ainda que vomitar deixe uma sensação e gosto extremamente desagradáveis na boca, a melhor opção é não lavar os dentes de imediato.

DIVULGUE A NOTÍCIA

Justiça multa Facebook em R$ 6,6 mi por compartilhar dados de usuários

OMinistério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou “prática abusiva” por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

Segundo nota publicada no site da pasta, “o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica”, que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que “as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas”. O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

VÍDEOS