Sabe mesmo usar máscara? Qual a frequência de troca? Médica explica

14 de setembro de 2020, 08:46

O tempo de utilização da máscara depende do material da mesma (Foto: Reprodução)

As máscaras de tecido reutilizáveis devem ser trocadas de duas em duas horas, por exemplo, revela um artigo publicado pela CNN Brasil. 

De acordo com a infectologista Rosana Richtmann, o tempo de uso de determinada máscara é diferente segundo o material de confecção do acessório.

Adicionalmente, a médica conta à CCN que quanto mais a pessoa falar, mais rapidamente o acessório ficará repleto de partículas salivares e consequentemente de umidade, o que incita a sua troca. 

“Não sabemos exatamente quanto tempo é que o vírus sobrevive no tecido. Por ser um material mais poroso, eu diria que no mínimo permanece por umas quatro horas. Mas deve ser mais do que isso”, afirma Richtmann. 

O momento crítico da troca

Ao trocar a máscara é de extrema importância não por as mãos no tecido, já que este pode estar infectado com o novo coronavírus SARS-CoV-2. É fundamental que puxe apenas pelos elásticos presos atrás das orelhas. 

Se não tiver um caixote do lixo à disposição ou não puder lavá-la no momento, deve segundo a CNN colocar a máscara num envelope de papel e guardá-lo no bolso, mala ou mochila.

Entretanto, pode lavá-la com água e sabão ou detergente. Pode, como medida adicional, passar a máscara a ferro, isto porque as temperaturas elevadas podem matar o vírus.

E se espirrar, Richtmann alerta que depois deve também trocar a peça de proteção.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS