Quer dormir e não consegue? Inclua estes quatro alimentos na sua dieta

20 de dezembro de 2019, 22:31

(Foto: Reprodução)

Anote os alimentos que dão sono

Se tem insônia ou quer começar a adormecer mais cedo, a solução pode estar na alimentação. 

Existe uma série de alimentos que promovem o sono. O Lifestyle ao Minuto conta quais são. 

Banana: Esta fruta é rica em tripofano, que regula os níveis de serotonina no cérebro acalmando e diminuindo a atividade cerebral intensa. Além disso, o potássio e o magnésio ajudam a relaxar a massa muscular. 

Chá de camomila: Ajuda a relaxar e a aliviar o stress e a ansiedade. Trata-se de um composto flavonóide com efeitos relaxantes. 

Mel: A glucose ajuda na segregação de outras substâncias que ajudam o cérebro e o corpo a relaxar. 

Couve: Este vegetal possui propriedades hidratantes, sedativas e soníferas. 

Leite: Beber um copo de leite antes de se deitar pode ajudá-lo a dormir melhor, pois os laticínios são ricos em triptofano, um aminoácido das proteínas precursor da serotonina que regula os ciclos do sono. 

DIVULGUE A NOTÍCIA

Justiça multa Facebook em R$ 6,6 mi por compartilhar dados de usuários

OMinistério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou “prática abusiva” por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

Segundo nota publicada no site da pasta, “o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica”, que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que “as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas”. O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

VÍDEOS