Projeto treina cães para detectarem coronavírus em humanos

17 de abril de 2020, 21:21

Projeto desenvolvido no Reino Unido já usa cães para detectarem, por exemplo, câncer, Parkinson e malária. (Foto: Reprodução)

Um projeto no Reino Unido está tentando fazer com que os cães, tantas vezes apelidados de ‘melhor amigo do homem’, ajudem também no combate à Covid-19. 

Segundo o noticiado pelo jornal The Mirror, se tiver sucesso, cada animal poderá ‘testar’ até 750 pessoas por hora. 

Já usados para detectar doenças como Parkinson, malária ou câncer, se tiver sucesso este poderá ser um desenvolvimento importante no que toca ao regresso à ‘normalidade’.

Desenvolvido pelo Medical Detection Dogs Charity, pela London School of Hygiene and Tropical Medicine e pela Universidade de Durham, o professor encarreguedo de lançar ‘a primeira pedra’ diz ter já vários cães passíveis de serem treinados para esta tarefa.

“É entusiasmante porque o processo pode ser apressado uma vez que temos já seis cães que podem ser treinados”, afirmou James Logan, chefe do departamento do controle de doenças da London School.

Durante as próximas semanas, os cães serão treinados com tecido de doentes confirmados com Covid-19 para se tentar perceber se a doença tem um odor específico passível de ser detectado. 

Oito semanas depois, caso passe a primeira fase de testes, estes cães poderão conseguir identificar o novo coronavírus em pessoas, precisando apenas de alguns segundos para fazer um ‘diagnóstico’.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS