Por que Gabigol foi expulso após marcar dois gols na final da Libertadores

24 de novembro de 2019, 10:51

Gabigol fez uma expressão de quem não estava entendendo o motivo da expulsão no final do jogo (Foto: Reprodução/TV Globo)

O relógio marcava 50 minutos do segundo tempo quando Gabigol foi expulso pelo árbitro chileno Roberto Tobar na final do último sábado (23). As imagens da TV ainda mostravam o cartão vermelho aplicado para o volante Ezequiel Palacios, do River Plate. A grande maioria do público no estádio observava a confusão. Herói do bicampeonato ao marcar dois gols na virada do Flamengo na final da libertadores deixou o campo revoltado. O que pouca gente soube foi o motivo da expulsão: o camisa 9 rubro-negro fez gestos obscenos para o banco e para a torcida adversária.

Logo após marcar seu segundo gol na partida, o atacante passou muito tempo comemorando e levou um cartão amarelo por tirar a camisa, em gesto que costuma repetir quando balança as redes em jogos importantes, mostrando seu nome e número para a torcida rubro-negra.

Na sequência do jogo, com o Flamengo segurando a vitória histórica no campo de ataque, Bruno Henrique foi atingido por Palacios em lance que gerou a expulsão do argentino e deu início a uma confusão. Na outra metade do gramado, Gabigol se dirigiu ao campo de defesa para beber água e sacudiu os órgãos genitais em direção a argentinos nas arquibancadas. Depois, repetiu o gesto também na direção de alguns atletas do River Plate, revoltando os “hermanos”.

O juiz principal, envolvido na confusão do outro lado do campo, não viu. Mas os auxiliares e o quarto árbitro sinalizaram. O chileno Roberto Tobar, então, lhe deu cartão vermelho direto. Na saída de campo, o jogador foi contido pela comissão técnica.

A figura de Gabigol exaltado pela polêmica não durou muito, no entanto. Bastou pouco mais de um minuto para que a exaltação fosse de alegria. Com o apito final, o atacante passou, então, a celebrar o sonhado título que ajudou a dar à torcida rubro-negra após 38 anos.

Dúvida no Fla sobre o Mundial

Em que pese toda felicidade pelo título histórico, o Flamengo se preocupava com Gabigol após a expulsão. A diretoria ainda não tinha uma resposta exata sobre quando o jogador deverá cumprir a suspensão.

Enquanto uns acreditam em uma punição somente na Libertadores de 2020, há, internamente, quem acredite que o atacante possa cumprir a pena na Recopa Sul-Americana em 2020. Outros chegaram a cogitar que ele desfalque a estreia do Mundial de Clubes a ser realizado nas próximas semanas, em Doha. Tudo, no entanto, só será esclarecido a partir de segunda-feira.

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS