PF faz operação contra seita que escravizava fiéis em cidades baianas

06 de fevereiro de 2018, 10:16

Foram 22 mandados de prisão preventiva, 17 de interdição de estabelecimento comercial e 42 de busca e apreensão nos municípios de Ibotirama, Luiz Eduardo Magalhães, Wanderley e Barra, na Bahia; Contagem, Betim, Andrelândia, Minduri, Madre de Deus, São Vicente de Minas, Pouso Alegre e Poços de Caldas, em Minas Gerais; e em São Paulo, capital.

Os “pastores” convenciam as pessoas a entregarem todos os bens e a mudarem para fazendas, onde trabalhavam de graça; O TEMPO denunciou a igreja em 2005 e a investigação policial teve início em 2011.

A Polícia Federal (PF), com o apoio do Ministério do Trabalho, deflagrou uma operação na manhã desta terça-feira (6) em diversas cidades mineiras, na Bahia e em São Paulo, contra a seita religiosa “Comunidade Evangélica Jesus, a Verdade que Marca”, que já foi alvo de pelo menos duas outras operações da corporação nos últimos anos. A “igreja” é acusada de redução de pessoas à condição análoga à de escravo, tráfico de pessoas, estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

De acordo com a corporação, durante a operação “Canaã – A Colheita Final” são cumpridos 22 mandados de prisão preventiva, 17 mandados de interdição de estabelecimento comercial e 42 mandados de busca e apreensão, todos eles expedidos pela 4ª Vara Federal em Belo Horizonte. Ao todo, participaram da operação 220 policiais federais e 55 auditores fiscais do Ministério do Trabalho de Minas, Bahia e São Paulo.

“A investigação aponta que dirigentes da seita religiosa teriam aliciado pessoas em sua igreja em São Paulo, capital, convencendo-as a doarem todos os seus bens para as associações controladas pela organização criminosa”, explica a nota divulgada pela PF.

Ainda segundo a corporação, para convencer os fiéis a doarem todos os seus bens e a se mudarem para o interior para trabalhar de graça, os membros da seita utilizavam de “ardis” e “doutrina psicológica”, sob o argumento de convivência em comunidades onde todos os bens móveis e imóveis seriam compartilhados.

Após a “doutrinação”, os fiéis eram levados para zonas rurais e urbanas, sendo que, em Minas, a “igreja” possuía sedes em Contagem e Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte; Andrelândia, São Vicente de Minas e Minduri, as três no Campo das Vertentes; e Madre de Deus, Pouso Alegre e Poços de Caldas, todas no Sul do Estado.

As vítimas também eram levadas para unidades nas cidades Ibotirama, Luiz Eduardo Magalhães, Wanderley e Barra, na Bahia, e na capital de São Paulo. Nestes locais, eles teriam sido submetidos a extensas jornadas de trabalho, sem nenhuma remuneração. Eles trabalhavam em lavouras e em vários tipos de estabelecimentos comerciais, como oficinas mecânicas, postos de gasolina, pastelarias, confecções etc.

“Por meio da apropriação do patrimônio dos fiéis e do desempenho de atividades comerciais sem o pagamento da mão-de-obra, a seita teria acumulado vultoso patrimônio, contando com casas, fazendas e veículos de luxo. Atualmente, estaria expandindo seus empreendimentos para o estado do Tocantins, baseados na exploração ilegal”, aponta a PF.

A investigação teve início em 2011, quando a seita estava migrando de São Paulo para Minas Gerais. Em 2013, foi deflagrada a “Operação Canaã”, com inspeções em propriedades rurais e em algumas empresas urbanas. Em 2015, foi desencadeada sua segunda fase: “De volta para Canaã”, quando foram presos temporariamente cinco dos líderes da seita. A deflagração de hoje representa a terceira fase da Operação, com a prisão preventiva de 22 líderes da seita, que poderão cumprir até 42 anos de prisão, se condenados.

 

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS