Pesticidas tóxicos usados no Brasil ‘afetam pessoas do mundo todo’, diz especialista

31 de julho de 2019, 09:44

(Foto: Reprodução)

A adoção de pesticidas altamente tóxicos no Brasil – o governo aprovou 262 até agora este ano e afrouxou as regulamentações sobre o que é considerado “extremamente tóxico” – está afetando as pessoas fora de suas fronteiras, segundo especialistas.

“Os pesticidas proibidos pela União Europeia (UE) estão sendo fabricados na UE e, em seguida, voltam para os cidadãos da UE, nos alimentos que ingerimos”, disse Oliver Tickell, membro do Green Economic Institute à RT.

Como um dos maiores exportadores de soja do mundo, o Brasil fornece uma quantidade significativa de alimentos que o gado e outros animais em todo o mundo consomem. Consumidores europeus comendo um suculento bife não têm ideia de que a criatura que estão comendo pode ter sido nutrida com soja pulverizada com pesticidas altamente tóxicos.

“Isso não é apenas um problema para o Brasil e para o povo brasileiro e pessoas expostas no campo a esses pesticidas e consumidores e agricultores”, alertou Tickell. “Isso está realmente afetando as pessoas em todo o mundo através das exportações agrícolas do Brasil”.

A Anvisa, agência reguladora de saúde pública brasileira, realçou as regulamentações de pesticidas na semana passada para que apenas aqueles químicos com potencial letal possam ser classificados como “extremamente tóxicos”, provocando uma enorme reação de grupos ambientalistas, organizações de direitos humanos e defensores da segurança alimentar.

O fervoroso governo pró-negócios do presidente Jair Bolsonaro já aprovou 262 pesticidas este ano, 82 dos quais são classificados como “extremamente tóxicos”, enquanto ele segue as promessas de campanha para demolir as regulamentações ambientais e abrir terras protegidas para mineração e agricultura.

Dezenas de pesticidas proibidos ou estritamente regulamentados na UE, incluindo o paraquat e o clorpirifos, já eram permitidos para uso no Brasil antes de Bolsonaro assumir o poder, e país usa aproximadamente 400.000 toneladas de pesticidas por ano, segundo a ONG Human Rights Watch.

Enquanto a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, negou categoricamente que o Brasil usa mais pesticidas do que qualquer outro país, atribuindo tais alegações à “manipulação de dados” e acusando críticos de “terrorismo”, o EcoWatch afirma que o país consome mais pesticidas per capita do que qualquer outro país.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS