Pele cultivada em laboratório salva menino sírio de doença rara

09 de novembro de 2017, 14:07

© Revista Nature/Reprodução

Uma pele “cultivada” em laboratório por cientistas da Universidade de Modena e Reggio Emilia, na Itália, salvou a vida de um menino sírio de nove anos que sofre de epidermólise bolhosa, doença que faz a epiderme se descolar com um simples toque.
A patologia deixa a pele do ser humano tão frágil como as asas de uma borboleta, inseto que passou a ser associado a todos aqueles que carregam essa condição. No entanto, pesquisadores italianos conseguiram transplantar uma pele geneticamente modificada em 80% do corpo de um paciente que estava à beira morte.
As cirurgias – duas no total – ocorreram em outubro e novembro de 2015, em Bochum, dois anos depois de Hassan, hoje com nove, chegar à Alemanha com seus pais e os irmãos. O menino sofre de epidermólise bolhosa juncional, a forma mais grave da doença, que se agravou após ele deixar seu país.

“O menino tinha perdido 80% da pele, estava em fim de vida e em coma induzido”, conta, em entrevista à ANSA, o pesquisador Michele De Luca, pioneiro em estudos sobre regeneração. Acionado pelos médicos de Hassan, os cientistas italianos começaram a trabalhar em uma pele de laboratório que pudesse ser transplantada na criança.

Eles usaram células-tronco e terapia gênica para desenvolver uma nova epiderme com a forma sem mutação do gene “Lamb3”, cuja alteração desencadeia a epidermólise bolhosa. A partir de células saudáveis da pele do menino, foram cultivados pedaços de 50 e 150 centímetros quadrados, colocados em Hassan em duas cirurgias sucessivas.

Ao longo dos 21 meses seguintes, a pele regenerada aderiu à camada subjacente, a derme, sem dar origem a novas bolhas e renovando-se regularmente. “Agora o menino está bem, vai para a escola, joga futebol. Sua pele está estável e já teve pequenos ciclos de renovação”, acrescenta De Luca.

+ Bento XVI ‘obrigou’ Francisco a aceitar cargo de papa

A pesquisa permitiu que os cientistas identificassem a “fonte” de células-tronco que faz com que a epiderme se renove continuamente. O estudo ainda forneceu a primeira prova direta de que a pele humana é sustentada por uma base de células longevas, das quais derivam as células progenitoras, de vida breve e que são renovadas continuamente.

“Era um tema muito debatido e agora foi finalmente resolvido”, diz o pesquisador italiano. A nova pele de Hassan é elástica e resistente, apenas ligeiramente manchada e com pequenas asperezas. “Parece um sonho. Sabíamos que se tratava de um tratamento experimental, mas tínhamos de tentar de tudo”, declarou o pai do menino ao jornal “la Repubblica”. Com informações da Ansa.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS