Partida na Itália é paralisada por racismo contra jogador brasileiro

22 de setembro de 2019, 19:33

Lateral-esquerdo brasileiro Dalbert Henrique. (Foto: Reprodução/Instagram)

Após ouvir insultos racistas da torcida da Atalanta, Dalbert avisou ao árbitro Daniele Orsato, que parou o jogo brevemente.

Apartida entre Atalanta e Fiorentina, pela quarta rodada do Campeonato Italiano, teve uma breve paralisação neste domingo em razão de cânticos racistas vindo de torcedores do time da casa em direção ao lateral-esquerdo brasileiro Dalbert Henrique.

Após ouvir insultos racistas da torcida da Atalanta, Dalbert avisou ao árbitro Daniele Orsato, que parou o jogo brevemente. A partida foi interrompida aos 31 minutos do primeiro tempo e o sistema de som do estádio Ennio Tardini, em Parma, comunicou a proibição de cânticos racistas e preconceituosos no local.

Após cerca de três minutos, o árbitro apitou o recomeço da disputa, que terminou em 2 a 2. Dalbert ficou em campo até os 40 minutos da etapa final, quando foi substituído por Lorenzo Venuti. O centroavante Pedro, ex-Fluminense, é o outro brasileiro no elenco da Fiorentina, que também conta com o veterano francês Franck Ribery, autor do segundo gol da equipe de Florença na partida.

Revelado nas categorias de base do Barra Mansa, clube do Rio de Janeiro, Dalbert não jogou profissionalmente no futebol brasileiro. Ele passou pela base do Fluminense e deixou o País para jogar em Portugal, onde atuou pelo Acadêmico de Viseu e pelo Vitória de Guimarães até ser comparado pelo Nice, da França, em 2016. No ano seguinte, a Inter de Milão adquiriu o jogador por 20 milhões de euros (cerca de R$ 91 milhões). Dalbert, no entanto, atuou pouco pelo time de Milão e foi emprestado para a Fiorentina nesta temporada.

Este não é o primeiro caso de racismo em partidas na Itália. O belga Romelu Lukaku, recém-contratado pela Inter de Milão, e o marfinense Franck Kessie, meia do Milan, também foram alvos de insultos racistas nesta temporada. Apesar da interrupção da partida neste domingo, nenhum clube recebeu qualquer tipo de punição até aqui.

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS