Nova nuvem de gafanhotos pode chegar ao Brasil: entenda os riscos

18 de julho de 2020, 19:31

As autoridades brasileiras soaram alerta em função de uma nova nuvem de gafanhotos, agora no Paraguai, com potencial destrutivo para as plantações (Foto: Reprodução)

Segundo entomóloga e engenheira agrônoma Adriana Labinas, uma eventual frente fria, com chuvas e ventos fortes, poderia evitar o deslocamento da nuvem de gafanhotos para o país.

As autoridades brasileiras soaram alerta em função de uma nova nuvem de gafanhotos, agora no Paraguai, com potencial destrutivo para as plantações. Os insetos estavam nesta sexta-feira (17) no Parque Nacional Defensores del Chaco, a cerca de 300 quilômetros da fronteira do Brasil.

O Serviço Nacional de Qualidade e Sanidade Vegetal e de Sementes do Paraguai (Senave), alertou que os gafanhotos podem se movimentar para as regiões na fronteira com Bolívia e Argentina, ou para a fronteira entre Brasil e Bolívia com o Paraguai.

A entomóloga e engenheira agrônoma Adriana Labinas, professora-coordenadora do Laboratório de Entomologia Agrícola do Departamento de Ciências Agrárias da Universidade de Taubaté (Unitau), explicou para Sputnik Brasil que nuvens de gafanhotos preferem temperaturas mais elevadas, que propiciam o desenvolvimento do inseto. Além disso, ausência de chuvas e de ventos facilitam muito o deslocamento das nuvens.

Quando, no entanto, as condições se invertem, com frio, chuvas e ventos fortes, ocorre “um desfavorecimento da biologia e uma alteração do comportamento dos insetos”.

“Da última vez, quando tivemos notícias da formação de nuvens de gafanhotos vindo do Uruguai eram justamente essas as expectativas de mudança climática, com chuva, frio e o vento que nós gostaríamos que se instalassem para conter o deslocamento da nuvem”, disse Adriana Labinas.

Segundo a engenheira agrônoma, os gafanhotos competem com o homem pelo pelo mesmo produto, pois são insetos fitófagos e têm o hábito de se alimentar de plantas. Portanto, o risco das nuvens de gafanhotos no Brasil está associado ao prejuízo para os agricultores e pecuaristas.

“Nesse momento, esses insetos passam então a assumir o status de praga agrícola, e por isso devem ser combatidos e controlados adequadamente. Neste momento acho que a melhor medida de controle que nós poderíamos ter inicialmente é uma medida do governo. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no dia 24 de junho, emitiu uma portaria declarando estado de emergência fitossanitária em função do risco do surto desta praga de Schistocerca cancellata, o gafanhoto, na região dos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina”, destacou a interlocutora da Sputnik Brasil.

Para Adriana Labinas, se as medidas de controle seguirem a portaria expedida pelo ministério, “as chances de sucesso do controle aumentam muito”, em função de um esforço organizado pelo governo federal.

A agrônoma também garantiu que os insetos não representam risco direto para o ser humano ou para os animais, mas alertou para uma possível diminuição da oferta de alimento, ou da condição econômica de uma população.

“O risco direto à saúde, tanto do ser humano, quando dos animais criados, não existe. Existem alguns relatos de desconforto auditivo no momento da chegada da nuvem e também existem relatos de desconforto visual, porque a paisagem fica alterada. Mas o risco que essas nuvens mais representam é para a produção agrícola”, concluiu a entrevistada.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS