Noites quentes. Oito razões médicas para fazer sexo todos os dias

05 de setembro de 2019, 07:37

(Foto: Reprodução)

Eis os motivos apontados pela ciência para manter uma vida sexual ativa. Entre elas, proteger o coração ao reforço do sistema imunológico.

Há quem diga que o mundo gira em volta de sexo, e ao que parece a ciência concorda. De acordo com vários estudos manter uma vida sexual ativa protege e reforça o organismo. Mas final, quantas relações por dia, semana ou mês são necessárias para garantir esses benefícios para a saúde?

Não há resposta. “Até porque quantidade não tem a ver com qualidade”, diz o urologista e terapeuta sexual Celso Marzano, de São Paulo, em declarações à revista Super Interessante. Desde que o casal se sinta bem com uma relação diária ou semanal, o organismo já vai tirar proveito.

1. Proteção cardiovascular

“Durante a relação sexual, como na prática de exercício físico moderado, há um aumento temporário do trabalho cardíaco e da pressão arterial”, explica o cardiologista José Lazzoli, da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Desporto. Para preservar as artérias, contudo, é preciso suar a camisa no mínimo 30 minutos diários cinco vezes por semana.

2. Um remédio contra a dor

Durante o sexo, o corpo produz uma porção de substâncias, entre hormônios e nurotransmissores. Uma delas é a endorfina. Essa molécula capaz de aliviar as sensações dolorosas é descarregada durante o orgasmo. “Trata-se do maior analgésico do nosso corpo”, afirma a médica Ruth Clapauch. E a sua ação prolonga-se após o ato sexual.

3. Reduz o stress

Um estudo realizado pela Universidade de Paisley, na Escócia, constatou: os voluntários que faziam sexo com penetração respondiam melhor a situações estressantes. “A atividade sexual diminui o nível de ansiedade”, diz o urologista Joaquim de Almeida Claro, da Universidade de São Paulo (USP). 

4. Melhora a autoestima

“A autoestima melhora porque o indivíduo sente-se desejado pelo outro”, resume a psicóloga Ana Canosa. E não pense que tal se deve apenas ao orgasmo. “As preliminares também são fundamentais, sobretudo para a mulher, que precisa ser tocada e beijada. A excitação promove uma maior libertação de hormônios, aumentando o tamanho do canal vaginal e as chances de chegar ao orgasmo”, diz o ginecologista e obstetra Francisco Anello.

5. Mais prazer, menos gordura

“O esforço de uma atividade sexual equivale, em média, a uma caminhada ao ritmo de 7,5 quilômetros por hora”, calcula o cardiologista José Lazzoli. “Dependendo da intensidade da relação, é possível queimar entre 100 a 300 calorias”. 

6. Reforça as defesas 

Fazer sexo uma ou duas vezes por semana fortalece o sistema imunológico. É o que sugerem investigadores norte-americanos que compararam amostras da saliva de pessoas sexualmente ativas com as de voluntários que se aventuravam pouco na cama. Concluíram: quem tinha relações com certa frequência abrigava mais anticorpos. 

7. Músculos fortalecidos

A atividade entre quatro paredes exige o esforço de alguns grupos musculares. Tudo depende, por exemplo, das posições na hora H, mas é possível trabalhar as coxas, o dorso e o abdomen. No caso das mulheres, a relação envolve ainda a movimentação dos músculos da vagina tonificando-os – o que por sua vez ajuda a prevenir condições como incontinência urinária. 

8. Melhora a qualidade do sono

Sim, uma noite tranquila também depende de uma cama ‘movimentada’. “A relação favorece o relaxamento muscular”, afirma o urologista e terapeuta sexual Celso Marzano. Isso porque, graças ao orgasmo, o corpo recebe uma enxurrada de substâncias que não demoram a agir, fazendo com que o indivíduo sinta uma mistura de bem-estar e exaustão.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS