NASA monitora asteroide que pode provocar caos na Terra em 2020

16 de agosto de 2019, 07:45

(Foto: Reprodução)

Um asteroide enorme pode estar em rota de colisão com nosso planeta, o que poderia causar um grande caos devido a suas dimensões – 

A NASA está monitorando o 1998 OR2, um asteroide mortal que poderá colidir com a Terra em abril de 2020.

O Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra (CNEOS) revelou que o asteroide 1998 OR2 possui um diâmetro de 4 quilômetros e deve sobrevoar a Terra em 29 de abril de 2020, conforme o tabloide Express.

Segundo os dados, o asteroide estará a uma distância de aproximadamente 0,04205 unidades astronômicas ou cerca de 6,3 milhões de quilômetros do nosso planeta. Apesar de ser uma distância segura, o curso da rocha pode ser alterado devido a alguns fenômenos, o que poderia fazer com que ele colida com a Terra.

Um dos fatores que poderiam alterar o curso do asteroide é o efeito Yarkovsky, onde aquecimento exercido por um objeto interno, como o Sol, pode alterar a rotação do asteroide e forçá-lo a um curso de colisão conosco.

O 1998 OR2 é um dos maiores e mais brilhantes asteroides da lista dos considerados potencialmente perigosos.

“Estamos certos de que as pessoas entendem que isso não é Hollywood, não é um filme”, afirmou Jim Bridenstine, diretor-administrativo da NASA.

No momento, a NASA está desenvolvendo o Teste de Redirecionamento de Asteroides (DART), que tentará redirecionar asteroides antes que eles possam colidir com a Terra. A utilização de uma sonda, bem como o lançamento de um teste deve ocorrer em 2021, enquanto que o projeto deve ficar pronto em 2022.

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS