NASA encontra ‘1ª superterra próxima’ que pode abrigar vida alienígena

01 de agosto de 2019, 10:49

(Foto: Reprodução)

Um grande salto acaba de ser dado na busca por vida alienígena com a descoberta de um novo planeta localizado a cerca de 31 anos-luz de distância da Terra.

A NASA, com a ajuda de seu telescópio  espacial TESS, conseguiu encontrar a “primeira superterra próxima” e determinou que as condições de vida no planeta lhe permitem vir a ser habitável, escreve o tabloide britânico Mirror.

Embora seu nome oficial seja GJ 357 d, os pesquisadores apelidaram o planeta de ‘superterra’, pois é muito maior do que nosso próprio planeta, e com condições semelhantes.

“Isto é emocionante, pois esta é a primeira superterra próxima da humanidade que poderia abrigar vida – descoberta com a ajuda da TESS, nossa pequena e poderosa missão com um enorme alcance”, disse a líder do estudo, Dra. Lisa Kaltenegger.

Kaltenegger explica que, “com uma atmosfera densa, o planeta GJ 357 d poderia manter água líquida em sua superfície como a Terra” e, dessa forma, “poderíamos coletar sinais de vida com telescópios, dados que em breve estarão online”.

​GJ 357 d: superterra próxima potencialmente habitável está localizada a apenas 31 anos-luz de nós

O GJ 357 d é um dos três planetas que orbitam sua estreia. Junto com ele estão o GJ 357 b (chamado ‘Terra quente’, cerca de 22% maior que a Terra), e GJ 357 c, que é pelo menos 3,4 vezes maior que o nosso planeta.

Os cientistas acreditam que o GJ 357 d poderia proporcionar condições perfeitas, enquanto o GJ 357 b e o GJ 357 c são provavelmente muito quentes para abrigar vida.

A equipe agora espera estudar o planeta mais a fundo para determinar suas condições.

“Nós construímos os primeiros modelos de como este novo mundo poderia ser […] Só de saber que a água líquida pode existir na superfície deste planeta motiva os cientistas a encontrar formas de detectar sinais de vida”, explica Jack Madden, que também trabalhou no estudo.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS