Mitos e verdades sobre a calvície

28 de outubro de 2019, 08:37

A calvície implica uma redução da densidade capilar mas não é o mesmo que queda de cabelo (Foto: Reprodução)

Oque fazer perante uma queda anormal de cabelo? Há um sem número de recomendações populares para prevenir ou reverter a calvície, mas nem todas são verdade. 

A calvície é marcada por uma evolução lenta e gradual, que tem início na idade adulta. Trata-se da principal preocupação capilar do sexo masculino, embora também possa afetar as mulheres. 

Alguns mitos e verdades sobre a calvície: 

A calvície é genética

Verdade. Conhecida também como alopecia androgenética, a calvície é uma condição genética que pode atingir tanto homens quanto mulheres e começa a desenvolver-se na adolescência.

Não existe tratamento para a calvície

Mito.  Apesar de não existir ainda um método para fazer os cabelos voltarem a nascer, é possível tratar o problema no início.  Procure um especialista. 

Rapar a cabeça ajuda a evitar a calvície

Mito. Pelo contrário, o hábito de rapar a cabeça pode irritar o couro cabeludo e danificar a raiz, o que pode fazer com que os fios nasçam mais finos e assim acelerar o processo de perda de cabelo.  

Dormir com o cabelo molhado pode causar queda de cabelo

Verdade. Mas não causa a calvície.

Stress pode deixar careca

Verdade. Alterações hormonais podem fazer o cabelo cair. 

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS