Metade dos brasileiros parou de postar política no WhatsApp, diz Datafolha

24 de dezembro de 2019, 15:50

O aplicativo tem mais de 1,5 bilhão de usuários e é o maior de troca de mensagens do mundo (Foto: Reprodução)

Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira (24) pelo jornal Folha de São Paulo mostra que cerca de metade (51%) dos brasileiros desistiram de comentar ou compartilhar conteúdos relacionados a política no WhatsApp para evitar brigas com família e amigos.

Dos funcionários públicos, 61% disseram que deixaram de debater política no aplicativo. Outros 59% dos entrevistados com ensino superior também desistiram de debater o assunto na rede social. Quando se trata do grupo de donas de casa, a constatação é oposta: 60% afirmaram que não deixam de falar por medo de desentendimentos.

Entre os entrevistados, 27% saíram de algum grupo para não discutir. Outros 19% deixaram de seguir ou bloquearam o perfil de um amigo, familiar ou até de empresas por discordar de suas posições políticas.

Leia os números:

51% – deixaram de comentar ou compartilhar alguma coisa sobre política em grupo de WhatsApp para evitar discussões com amigos ou familiares;

46% – deixaram de publicar algo sobre política nas redes sociais para evitar discussões com amigos ou familiares;

27% – saíram de algum grupo de WhatsApp para evitar discussões políticas com amigos ou familiares;

19% – deixaram de seguir ou bloquearam algum amigo ou pessoa da família por discordar das suas posições políticas;

19% – deixaram de seguir ou bloquearam alguma empresa ou marca por causa de suas posições políticas;

16% – entraram em grupo em redes sociais para discutir e divulgar ideias políticas parecidas com a sua;

14% – mudaram a foto do perfil para apoiar alguma causa política.

O levantamento entrevistou 2.948 pessoas em 176 municípios em 5 e 6 de dezembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. As respostas citadas se referem a comportamentos adotados nos últimos 12 meses, ou seja, de dezembro de 2018 a dezembro de 2019. Considera apenas quem tem conta em redes sociais.

Fake news

O levantamento questionou: “As redes sociais servem mais para divulgar notícias falsas do que para informar as pessoas”.

59% – concordam;

37% – discordam;

4% – não sabem/não concordam nem discordam.

O WhatsApp iniciou uma campanha publicitária no fim deste ano para combater o compartilhamento de notícias falsas. O app veiculou publicidade digital, impressa e em outdoores em todo o Brasil. A empresa declarou que a ação faz parte de 1 “esforço educacional de longo prazo para combater a desinformação”.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS