Médica que disse ‘não’ a Bolsonaro foi ameaçada de morte por bolsonaristas

15 de março de 2021, 14:46

Médica goiana foi convidada a assumir o Ministério da Saúde no lugar de Eduardo Pazuello (Foto: Reprodução)

Em entrevista à CNN, a médica goiana Ludhmila Hajjar disse ter sido ameaçada de morte entre o domingo, 14, e esta segunda-feira, 15, após ser convidada a assumir o Ministério da Saúde no lugar do general Eduardo Pazuello.

“Eu fui agredida, ameaçada de morte, tentaram invadir hotel que eu estava. E onde eu estou agora? Aqui falando pra todos. Onde eu estarei mais tarde? Cuidando dos meus pacientes. E amanhã? À disposição do Brasil”, disse durante a entrevista. Ela afirmou que os ataques partiram de gente que quer manter o país polarizado.

“O Brasil hoje precisa de uma liderança na Saúde. Senão a dívida que o Brasil vai pagar é incomensurável”, reforçou. Ela disse ainda que tratou pacientes da direita e da esquerda, ao responder sobre vídeo em que aparece com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), usada por bolsonaristas para atacá-la. “Não tenho ligação política com nenhum político, mas continuarei a tratar de gente da direita e da esquerda, por que minha missão é essa: tratar”, reforçou.

Tratamento precoce

A cardiologista goiana voltou a criticar o chamado tratamento precoce. “O discurso do tratamento precoce não existe. Não queria dar uma palavra a respeito disso”, disse. No entanto, salientou que era preciso que o país buscasse medicações que se mostram promissoras no combate à Covid-19. Ela cita o anticorpo monoclonal, que pode diminuri até 85% na taxa de internação.

Além disso, Luhdmila diz que é preciso ter um discurso que unifique o país. Para isso, seria preciso de ativação emergencial de leitos nos estados e municípios que precisam e de protocolos unificados para tratamentos de doentes acometidos pela Covid-19. O terceiro ponto destacado pela cardiologista é a busca para que seja feita vacinação em massa.

“É preciso apoiar os governadores com dados [para as medidas de isolamento social]. Não dá para fugir da ciência. Enquanto a gente negar a ciência não tem solução. É a ciência que irá acabar com a pandemia. As UTIs estão lotadas, as pessoas estão morrendo”, reforçou.

Convite

Ludhmila Hajjar negou na manhã desta segunda-feira, 15, o convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para que ela assumisse o Ministério da Saúde. Ela alegou motivos técnicos para a recusa, entre eles a discordância com o governo federal sobre distanciamento social e do chamado tratamento precoce.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS