Língua-irmã do português, galego luta contra o preconceito

25 de novembro de 2018, 08:18

Idioma falado em região no noroeste da Espanha tenta manter sua identidade

No bar A Repichoca, em Corunha, noroeste da Espanha, um grupo de jovens se reúne para beber e tocar instrumentos como gaitas de fole. Eles falam galego entre si e com quem mais estiver perto, sem se importar se o interlocutor responde em espanhol ou em português. Quase sempre, todo mundo se entende.

A estudante Raquel Pérez, 25, faz parte do grupo. “Minhas avós sabiam galego, mas só aprendi no colégio”, conta. Desde a faculdade, ela decidiu usar só a língua local. “Percebi que não havia sentido em viver aqui e não falar galego.”

No entanto, o uso da língua entre os jovens tem diminuído. “Temos uma falta de uso nessa faixa etária. Eles sabem ler e escrever, mas não usam tanto quanto as pessoas mais velhas”, explica Valentín García, secretário de Política Linguística da Xunta de Galícia, o governo local.

Segundo a RAG (Real Academia Galega), há cerca de 2 milhões de falantes do idioma, para uma população local de 2,7 milhões de pessoas.

No entanto, a língua é pouco ouvida em grandes cidades da região, como Corunha e Vigo, e tem presença mais forte nos povoados do interior.

“Tem havido uma diminuição no número de pessoas que a usam como primeira língua, e um aumento das que a utilizam como segundo idioma”, avalia Henrique Monteagudo, secretário da RAG.

Uma das razões que afastam os jovens é que a maior parte do conteúdo que buscam nos meios digitais está em inglês ou em espanhol. Embora haja muitos perfis em galego nas redes sociais, é raro que as séries tenham dublagem na língua local, por exemplo.

Entre os motivos para a falta de protagonismo do idioma estão a censura no passado e o preconceito social. “O castelhano era a língua das elites, e o galego, dos camponeses e dos pescadores. Havia o estigma de ser uma língua das classes baixas”, explica García.

Parte dessa má imagem tem origem na ditadura de Francisco Franco, que comandou a Espanha entre 1936 e 1975. No período, o galego sofreu censura e foi banido das escolas. O governo buscava sufocar o uso de línguas locais por temer que pudessem estimular o separatismo.

Antes de Franco, o galego vivia um momento de renascimento. A língua surgiu no século 12, como galaico-português. Na Idade Média, a capital galega, Santiago de Compostela, se consolidou como destino de peregrinos, o que ajudou a impulsionar a língua.

Separados pelo rio Minho, os reinos da Galícia e de Portugal desenvolveram versões próprias do galaico-português nos séculos seguintes. Entre as diferenças, o galego usa o x em casos em que o português usa o j (como em “xustiza”) e mantém termos do espanhol, como “pero” em vez de “mas”.

O reino da Galícia foi incorporado ao império espanhol, que fez do castelhano o idioma oficial. Com isso, o galego entrou em declínio a partir do século 16. Houve um movimento de resgate a partir do século 19, interrompido com a ascensão de Franco.

Com a volta da democracia, a Galícia se tornou comunidade autônoma e decretou o galego como língua oficial. Em 1983, uma lei incluiu aulas do idioma nas escolas e traduziu os nomes oficiais dos lugares. Assim, La Coruña virou oficialmente A Coruña.

Em 1997, outra lei obrigou o uso do idioma em todos os documentos e ações oficiais. No verão, os avisos aos banhistas na praia são anunciados em dois idiomas.

A Xunta investe 8 milhões de euros (R$ 34,7 milhões) anuais em ações para estimular o galego, como a produção de livros e shows. O dinheiro também vai para TVs, rádios e jornais. No entanto, há críticas pelo fato de nenhum diário impresso atualmente ser escrito 100% em galego.

Nos últimos anos, houve reveses. Em 2009, o PP (Partido Popular), de direita, assumiu o comando da Xunta e aprovou medidas como a redução do ensino da língua nas escolas públicas.

“Antes, no mínimo 50% das aulas eram em galego. Com a mudança, o conteúdo mínimo passou a ser de 33%”, aponta Monteagudo. “Aprender o galego faz com que os jovens possam se comunicar mais facilmente em outros idiomas, inclusive em português”, diz. Com informações da Folhapress.

Os 7 alimentos que são ladrões de energia

Você provavelmente já ouviu falar e leu bastante sobre alimentos e suplementos que aumentam sua disposição e te deixam mais animado para encarar um treino ou até mesmo as tarefas do dia a dia. Mas também existe o outro lado dessa moeda. Não faltam vilões neste mundo na nutrição: os alimentos que são ladrões de energia e podem atrapalhar bastante sua rotina na corrida ou até mesmo se tornar um obstáculo numa prova.

Esses “ladrões” de energia atuam de diferentes maneiras no organismo. Em alguns casos, oferecem tanto açúcar que, num primeiro momento, essa elevada taxa de glicose resulta em mais disposição, mas, logo em seguida, a insulina liberada para normalizar essa glicose faz justamente o caminho contrário. E aí o cansaço chega com tudo.

Também tem aqueles alimentos que dão tanto trabalho para o sistema digestivo que muitos nutrientes são desviados para ajudar nesse processo, fazendo com que eles faltem na produção de energia em outras funções do organismo. Resultado: o corpo logo sente essa queda de disposição.

Para te ajudar a evitar esse cansaço causado pela má alimentação, acionamos três especialistas para fazer uma lista dos maiores ladrões de energia, suas principais armas e como combatê-las. Confira!

Os ladrões de energia 

Carboidratos simples

Alimentos com farinhas brancas vão roubar energia se consumidos em excesso. “Em um pré-treino, por exemplo, são aliados, mas viram vilões se não houver uma atividade física depois”, pondera Mayara Ferrari, nutricionista funcional esportiva. “Isso acontece porque a quantidade de açúcar no sangue fica muito elevada e o pâncreas libera mais insulina para quebrar todos esses carboidratos. Isso pode causar uma grande redução de açúcar no sangue, resultando em fadiga e falta de energia.”

Sal

Aquele sal extra para dar mais gosto à comida pode te deixar mais cansado. Em quantidade exagerada, o sal aumenta a pressão arterial e deixa o organismo mais desidratado porque mais água é necessária para compensar. “Ele prejudica o funcionamento adequado do organismo, que ficará a todo momento buscando esse equilíbrio. Isso dará uma sensação de cansaço e fadiga. Esporadicamente um pouco de sal não tem problema, mas abusar dele diariamente ou usar em grande quantidade é bastante prejudicial”, adverte Mayara.

Alimentos gordurosos e frituras

A gordura em excesso dificulta a digestão e atrapalha a chegada dos nutrientes à corrente sanguínea. “Como possuem uma digestão mais
lenta, eles fazem com que a circulação se concentre na região abdominal por mais tempo. Isso causa uma sensação de letargia e sonolência durante a digestão, que pode passar de três horas. E isso não é bom para quem vai se exercitar, pois precisará de boa circulação nos membros”, alerta a nutricionista Lara Natacci.

Doces

A lógica nesse caso é parecida à dos carboidratos simples: como eles são ricos em açúcar, dão um pico de energia no primeiro momento porque aumentam a quantidade de glicose no sangue, mas se a pessoa não for praticar uma atividade física logo em seguida, essa disposição logo pode virar cansaço. “O organismo vai aumentar a secreção de insulina para normalizar a glicemia, que é a quantidade de glicose no sangue. Por isso, a sensação de aumento de energia deve durar pouco e dar lugar à fadiga”, reforça Lara Natacci.

Café

O café, um dos estimulantes mais populares, também pode roubar sua energia. Ele realmente gera mais disposição num primeiro momento, mas sua ação no sistema nervoso tem como um dos efeitos a fadiga. “A cafeína, no cérebro, obstrui os efeitos da adenosina, substância que ajuda na transferência de energia e na promoção do sono, dando o efeito estimulante”, explica André Lemos, médico nutrólogo. “Por outro lado, também inibe a degradação da acetilcolina, que aumenta o estímulo muscular. E a consequência disso são o cansaço e a debilidade”, completa.

Corantes e conservantes

Presentes em muitos produtos industrializados, como nuggets, embutidos (salame, presunto, mortadela, peito de peru) e salsichas, eles
modificam o funcionamento adequado do organismo, que tenta repor o que os corantes “tiram” no processo de digestão. “Eles causam uma cascata de processos inflamatórios e oxidantes. Para reverter essa situação, disponibilizamos muitas vitaminas e minerais, fazendo com que o restante do organismo não funcione adequadamente”, destaca Mayara.

Refrigerante

O refrigerante é um dos “ladrões de energia” mais temidos. Alguns maratonistas e ultramaratonistas o utilizam durante provas quando já estão acostumados a seus efeitos, inclusive psicológicos, mas, para o organismo, eles não têm nada de “bonzinhos”. Isso porque o refrigerante, em geral, tem tudo em excesso: açúcar, sódio e corantes. Assim, desencadeia todos os processos já descritos de uma só vez. Além disso, estudos apontam que o refrigerante ainda pode atrapalhar o padrão de sono, prejudicando o descanso e interferindo na disposição.

VÍDEOS