Jacobina: Sífilis é tema de conversa entre profissionais de saúde e gestantes em USF

10 de março de 2020, 09:21

Gestantes recebem orientações de prevenção da doença (Foto: Notícia Limpa)

Na manhã desta terça-feira (10), o Médico Alexandre Menezes e a enfermeira Tyara Bianch, em um bate-papo com gestantes que realizam o pré-natal na Unidade de Saúde do bairro Caixa D’água, em Jacobina,  chamou atenção para o cuidado e a prevenção contra a Sífilis durante a gravidez.

Segundo Alexandre, este é um momento de conscientização e cuidado, pois a Sífilis é uma doença grave e prejudicial tanto para os pais como para os recém-nascidos.

Além das gestantes, queremos proteger os bebês que correm o risco de contrair diversas outras doenças, inclusive cegueira.

Apresentações de imagens didáticas sobre as causas e consequências da doença que atinge um número considerado de infectafos em Jacobina, conforme informações do médico Alexandre, foram apresentadas para as gestantes presentes.

“Além das gestantes, queremos proteger os bebês que correm o risco de contrair diversas outras doenças, inclusive cegueira. A prevenção é a melhor forma para se evitar a doença”, ponderou.

No final do bate-papo foramnsorteados pacotes de fraldas descartáveis. 

Sífilis 

Sífilis é uma doença infecto-contagiosa, sexualmente transmissível, que pode levar à morte se não tratada a tempo. É especialmente perigosa se a pessoa infectada for uma gestante.

Sífilis, ou lues, é uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum. Pode também ser transmitida verticalmente, da mãe para o feto, por transfusão de sangue ou por contato direto com sangue contaminado. Se não for tratada precocemente, pode comprometer vários órgãos como olhos, pele, ossos, coração, cérebro e sistema nervoso.

O período de incubação, em média, é de três semanas, mas pode variar de dez a 90 dias.

Sífilis congênita:uma ameaça durante a gestação 

Por falar em gravidez, a sífilis é particularmente ameaçadora nessa fase. É que a gestante, se estiver infectada, pode transmitir a bactéria para o bebê pela placenta, abrindo caminho à sífilis congênita. Nessas circunstâncias, a infecção é capaz de causar malformação, aborto espontâneo ou parto prematuro.

O recém-nascido que sobrevive a esses infortúnios ainda está mais sujeito a problemas respiratórios e neurológicos. Se porventura o bêbe não for infectado durante a gestação, também corre o risco de pegar a bactéria no momento do parto.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS