Jacobina realiza a 34ª Corrida Duque de Caxias

25 de agosto de 2019, 11:23

O vencedor da prova masculina (10 km) foi o atleta Marcos Fernandes da Cruz, de 35 anos, da cidade baiana de Lajedinho (Foto: Reprodução - Arquivos pessoais)

Na manhã deste domingo (25), Jacobina recebeu a 34ª edição da Corrida Duque de Caxias. O evento, que faz parte do calendário esportivo da cidade e da Bahia é realizado pela Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Esporte e Lazer, contou com mais de mil e 300 inscritos.

Os vencedores das provas masculina e feminina, de 10 km, foram os atletas Marcos Fernandes da Cruz, de 35 anos (equipe JC Corb) e  Marily dos Santos, de 41 anos (equipe Ferbase), respectivamente.

Uma das mais tradicionais corridas de rua do Brasil, a Duque de Caxias de Jacobina, outrora respeitada e literalmente disputada por atletas de todo o país e até mesmo do exterior, tem sido apequenado a cada ano e corre o risco de cair no ostracismo.

Até este sábado (24), véspera da competição, poucas pessoas sabiam da sua existência. Ao contrário de outros anos, chamou atenção a tímida empolgação da cidade em relação ao evento, aquele, que já foi cogitado em fazer parte do seleto grupo de grandes acontecimentos do Guinness Books, o Livro Mundial dos Recordes, pela quantidade de troféus distribuídos em uma única prova,

A chegada apoteótica dos atletas no Estádio José Rocha, com a Esquadrilha da Fumaça da Força Aérea Brasileira (FAB) e paraquedistas proporcionando inesquecíveis espetáculos no ‘céu’ de Jacobina estão apenas nas lembranças. A mudança do local da chegada para a parte externa do estádio desagradou atletas e grande parte da população que lotava as dependências da maior arena esportiva da Chapada Diamantina.

Florentino Cardozo de Assunção Sobrinho

HISTÓRIA – Criada em 1981, pelo então sargento EB Florentino Cardozo de Assunção Sobrinho, a competição chega este ano em sua 34ª edição, com muitas histórias para contar. A primeira Duque de Caxias, edição municipal, aconteceu no dia 30 de agosto de 1981, tendo como participantes apenas atletas do sexo masculino. Inscreveram-se e participaram da primeira edição da Corrida apenas 302 homens, sendo todos os corredores jacobinenses. João Batista dos Santos foi o primeiro vencedor da prova, seguido por Simplício Vida que se tornou bicampeão ao vencer as duas competições seguidas. As mulheres participaram pela primeira vez em 1983. A corrida tem este nome em referência ao Patrono do Exército Brasileiro.

O prefeito de Jacobina, quando aconteceu a primeira corrida (1981), era o médico Flávio Mesquita Marques, considerado um dos principais apoiadores por acreditar no que naquele momento era um embrião. A repercussão da primeira prova foi tão positiva que no ano seguinte, em 29 de agosto de 1982, aconteceu a sua segunda edição. A aglomeração de pessoas nas ruas foi bem maior, houve a participação efetiva de 394 corredores masculinos, e foram disponibilizados 49 troféus para serem entregues aos vencedores da prova. Neste segundo momento o prefeito já era Carlos Pires Daltro (Doutor Carlito), considerado também como um dos grandes apoiadores e incentivadores do evento. A terceira edição da corrida, com caráter ainda municipal, em 28 de agosto de 1983, contou com a participação de 409 corredores e pela primeira vez teve a participação feminina como atletas corredoras.

Em 1995 a corrida pleiteou uma vaga no Livro dos Recordes, devido a entrega de 410 troféus na sua 11ª edição. Pesquisando outras provas no mundo, Capitão Assunção descobriu a possibilidade de inscrever a corrida nesse quesito, uma vez que nenhuma competição da mesma natureza superava a Duque de Caxias de Jacobina em número de troféus, a mais próxima era uma prova em Barcelona, na Espanha, com 222 troféus distribuídos. O Guinness Book chegou a solicitar documentos que comprovassem o feito, a papelada foi enviada, inclusive pela Federação Baiana de Atletismo, mas nunca houve uma resposta.

 Dado ao grande número de expectadores, o prefeito Carlito Daltro, sugeriu que o local de chegada da prova fosse transferido da Praça Rio Branco para o recém-reformado Estádio José Rocha (O Carlitão da época).

Nos anos 90 começaram os shows aéreos da Esquadrilha da Fumaça e paraquedistas, um espetáculo que lotava os hotéis na semana da corrida, com a população alugando também suas casas para suprir a grande demanda.

Os maiores vencedores da prova é o atleta jacobinense “naturalizado”, Giomar Pereira e Marily dos Santos. Entre outros renomados e famosos atletas que participaram da Corrida Duque de Caxias estão: Florindo Correia (ex-campeão baiano e do nordeste), João Fantasma (ex-campeão baiano), João da Mata (vendedor da São Silvestre, Campeão Brasileiro e Pan-americano), José Nascimento (Equipe do Cruzeiro de BH) e um grupo de corredores internacional, oriundos da República do Quênia, na África Oriental.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS