Jacobina: Primeira Sexta-feira Santa sem a tradicional subida à Serra do Cruzeiro (Fotos)

10 de abril de 2020, 17:02

Assim como a população local, a subida à Serra do Cruzeiro 'viveu sua primeira quarentena' em toda a sua história (Foto: Notícia Limpa)

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) tem mudado o comportamento de várias cidades em todo o mundo. A cada dia que passa as precauções individuais e as medidas governamentais estão limitando as ações das populações, tolhendo inclusive o direito universal de ir e vir, com o objetivo de evitar a disseminação da doença que já matou mais de 1,65 milhão de pessoas já foram infectadas e mais de 100.000 pessoas já morreram. No Brasil registra 19.638 contágios e 1.057 óbitos pelo novo coronavírus.

Em Jacobina a população tem respeitado o isolamento social, seguindo as determinações impostas por decretos lei do Governo Municipal, mesmo com algumas exceções. Nesta sexta-feira, dia 10, chamada pelos cristãos de Sexta-feira Santa, por ter sido o dia em quem Jesus Cristo foi crucificado e morto, a última que antecede o Domingo de Páscoa, dia da ressurreição do messias da Igreja Católica, a tradição de reunir a família para o almoço e a degustação de vinho deu lugar para o afastamento, à prevenção.

A Serra do Cruzeiro, localizada no bairro que leva o mesmo nome, não recebeu peregrinos. Sua escadaria com de 350 degraus não pode ser visitada. Como os que a veneram, a cruz cristã construída no cume do morro ‘observa’ a cidade em silêncio e literalmente em isolamento social. Um decreto lei publicado no Diário Oficial do Município proibiu a subida às escadarias e a visitação à cruz e à Casa de Velas, com pena de multa e prisão para quem desobedecer, como forma de se evitar aglomerações de pessoas e consequentemente prováveis contágios da Covid-19.

Prepostos da Guarda Municipal isolaram e vigiaram os acessos à Serra do Cruzeiro, nesta Sexta-feira Santa.

Na entrada da cidade, próximo aos acessos que levam até escadaria do Cruzeiro, uma barreira sanitária foi montada para monitorar todas as pessoas que entravam na cidade via rodovia. A temperatura era aferida e quem chegava de locais com casos confirmados de coronavírus preenchiam um relatório e estavam sendo orientados a permanecerem no mínimo sete dias de quarentena antes que mantivesse contato com familiares e a população local.

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS