Jacobina: município bate recorde de positivados do coronavírus em 3 dias

03 de julho de 2020, 14:15

O número de contaminados tem subido, deixando a população em pavorosa, enquanto o comércio continua totalmente aberto. Na foto, prepostos do Município verificam a temperatura corporal de motoristas e passageiros dos veículos que entram na cidade (Foto: Notícia Limpa)

Jacobina bate recorde em números de casos em 3 dias. Conforme o Informativo Epidemiológico da Secretaria de Saúde o município registrou 33 casos confirmados do novo coronavírus de quarta (1º) até esta sexta-feira (3); agora já são 148 pessoas que foram infectadas.

Além da notícia que o número de positivados está aumentado de forma acelerada, a confirmação da segunda morte ocasionada pela Covid-19 deixa a população apreensiva já que ao contrário de outras cidades, Jacobina mantém todos os serviços funcionando, sem medidas restritivas que visem conter o avanço da doença.

A segunda vítima da Covid-19 no município foi Godofredo Moreira Gomes, de 73 anos, que era morador do distrito de Novo Paraíso. Ele estava internado em um hospital de Salvador. O local e o horário do seu sepultamento não foram informados.

Com os dados informados hoje, o total de casos confirmados desde o início da pandemia nos bairros mais centralizados tem aumentado, com destaque para o Peru com 19 infectados, o Leader com 17 e o Félix Tomaz com 15. Ainda existem 4 casos suspeitos aguardando resultado do Laboratório Central da Bahia (Lacen). Conforme o Informativo da Prefeitura, 58 pessoas já estão curadas.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS