Jacobina: Movimentação de pessoas nas ruas e funcionamento da feira livre marcaram o primeiro dia do decreto que impõe isolamento social na cidade (Fotos)

17 de maio de 2020, 11:34

Muitos veículos e pessoas eram vistos circulando pelas ruas na manhã deste sábado, 16. (Foto: Notícia Limpa)

O primeiro dia do novo decreto baixado pela Prefeitura Municipal determinando o fechamento por 8 dias de todos os estabelecimentos comerciais considerados não essenciais foi marcado por desrespeito, muita movimentação em algumas ruas e o funcionamento normal da feira livre da cidade.

Próximo do meio dia a movimentação na Feira Livre era considerada tímida

Após o município chegar a duas dezenas de infectados e uma morte provocada pela Covid-19 (novo coronavírus) o Executivo local decidiu reeditar o decreto que já havia sido editado em momentos em que não tinha sido notificado nenhum caso da doença. Estão proibidos novamente de funcionar lojas de calçados, roupas e eletrodomésticos, lanchonetes e bares  e autorizados os serviços de distribuição de gás de cozinha e água mineral, além de postos de combustíveis e supermercados. Com exceção dos terminais de auto-atendimento, está proibido também o funcionamento de instituições financeiras.

O número de veículos nas ruas e estacionamentos foi considerado grande no primeiro dia do ‘decreto do isolamento’

Enquanto muitos comerciantes pressionavam a Prefeitura pela manutenção do decreto que flexibilizou e autorizou praticamente todos os serviços funcionarem, boa parte da população, endossada por entidades de classes (não comerciais) e o Ministério Público da Bahia, já previam a chegada do primeiro caso e o aumento de infectados pelo novo coronavírus na cidade por conta da aglomeração de pessoas.

Esta loja localizada na Rua Coronel Teixeira (Calçadão), atendia uma pessoa através da calçada

Diante do aumento de casos confirmados e o número de mortes em todo o país, principalmente na Bahia, em especial a região de Jacobina, onde já existem registros em praticamente todas as cidades, a população não esconde o medo da pandemia da Covid-19, fato constatado através dos depoimentos feitos através da imprensa e das redes sociais. Mas, ao mesmo tempo em que muitos temem a contaminação, outros insistem em ir de encontro ao que determina as autoridades de saúde de todo o mundo e desprezam o isolamento e o distanciamento social.

       

Em Jacobina, a MAF Escave, empresa responsável pela execução da obra de esgotamento sanitário em parte da cidade, assim como fez durante outros decretos, continua expondo seus trabalhadores ao risco de uma infecção pelo coronavírus. No final da manhã deste sábado, 16, o Notícia Limpa flagrou uma frente de serviço da contratada do Governo da Bahia trabalhando normalmente. Em grupo, foi possível ver que os funcionários tinham contatos físicos constantemente .

“O serviço de esgotamento sanitário e distribuição de água são considerados serviços essenciais em alguns estados e serviços, mas o ‘serviço de construção de uma nova rede de esgoto’ não é essencial e deve, como outras áreas, respeitar a determinação do isolamento social”, ressaltou um advogado que pediu para não ser identificado.

 

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS