Jacobina: Cidade não segue à risca as medidas que visam conter o coronavírus (Fotos)

25 de março de 2020, 15:23

Umas das demonstrações de desrespeito ao que determinaram os decretos municipais, está o funcionamento da Lojas Americanas (Foto: Notícia Limpa)

O município de Jacobina entra em seu terceiro dia de quarentena após o primeiro decreto oficial da Prefeitura Municipal para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19). Para algumas atividades como a educação, a paralisação vai até o dia 6 de abril, ‘caso não surjam casos novos’, como informou o prefeito Luciano Pinheiro, durante coletiva à imprensa no último dia 20.

Já os funcionamentos do centro comercial e outros estabelecimentos de vendas de produtos que não sejam considerados essenciais, como bares, estão proibidos até a meia noite do dia 29 de março. Novos decretos determinam também o fechamento de parques ambientais e acessos à cachoeiras, como a Véu de Noivas, na comunidade de Itaitu. Conforme o Executivo Municipal, essas medidas podem ser renovadas, estendidas ou suprimidas, se houver necessidade.

O site Notícia Limpa, tomando todos os cuidados de prevenção, orientados pelas autoridades de saúde do país e do mundo, ao circular pela cidade percebeu que as determinações que constam nos decretos 127 do dia 20 de março e 129 de 23 de março, não estão sendo cumpridos à risca. A reportagem encontrou algumas lojas atendendo com ‘meia porta’ e outros estabelecimentos passando por reformas físicas com os trabalhadores totalmente sem equipamentos de proteção individuais.

Umas das demonstrações de desrespeito ao que determinaram os decretos municipais, está o funcionamento da Lojas Americanas da cidade. Enquanto todo o comércio da cidade se encontra fechado, a loja de departamento mantém o funcionamento com alegação de que seria serviço essencial, pois vende alimentos. Em Salvador, duas lojas da rede foram fechadas e autuadas pela fiscalização daquele município, conforme divulgado pela imprensa baiana.

Indo de encontro também à campanha do Governo do Estado da Bahia contra a disseminação do novo coronavírus, onde pede que todos os baianos não saiam de casa, que obedeçam o isolamento social, a unidade do Serviço de Apoio ao Cidadão de Jacobina (SAC/BA), continua de portas abertas, atendendo as pessoas que fizeram agendamento online. Com contato direto com os atendidos, os funcionários estão expostos à contaminação, o que tem gerado indignação e preocupação.

Através de notas jornalísticas, o Notícia Limpa tem chamado a atenção para o risco de contaminação dos servidores que trabalham no SAC/Jacobina, mas até o momento, nem a gerência da unidade do órgão na cidade, nem o governo do Estado se pronunciou em relação ao assunto.

Covid-19 na Bahia – A Bahia registra, até o início da tarde desta quarta-feira (25), 85 pacientes confirmados com coronavírus (Covid-19), 725 casos descartados e não há óbitos. Este número contabiliza todos os casos de janeiro até às 11 horas desta quarta-feira (25). Falta consciência neste momento crítico

Os municípios com casos positivos são estes: Barreiras (1); Brumado (1); Camaçari (1); Conceição do Jacuípe (1); Conde (1); Feira de Santana (8); Itabuna (1); Jequié (1); Juazeiro (2); Lauro de Freitas (3); Porto Seguro (8); Prado (2); São Domingos (1); Teixeira de Freitas (1); e Salvador (52 casos, com a ressalva que três casos são importados, visto que o local de residência é fora da Bahia, mas a notificação foi feita na capital).

Ressalta-se que os números são dinâmicos e na medida em que as investigações clínicas e epidemiológicas avançam, os casos são reavaliados, sendo passíveis de reenquadramento na sua classificação.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS