Governo da Bahia investe R$ 8,38 bilhões em 2023, maior valor para um primeiro ano de governo

25 de janeiro de 2024, 17:24

Foram bastante expressivos também os valores investidos na área de Infraestrutura: R$ 3,53 bilhões, aplicados pelas secretarias de Infraestrutura, Urbanismo e Infraestrutura Hídrica. (Foto: Secom Bahia)

Os desembolsos para investimentos foram aplicados, entre outros itens, em escolas de tempo integral, policlínicas e equipamentos hospitalares, equipamentos de segurança, rodovias, obras de mobilidade, sistemas de abastecimento de água e obras de convivência com os efeitos da seca

O Estado da Bahia encerrou o ano de 2023 com um total de R$ 8,38 bilhões em investimentos empenhados, o que constitui um marco estabelecido pela gestão do governador Jerônimo Rodrigues. Nas últimas décadas, o valor é o maior já investido pelo governo estadual no primeiro ano de administração. A cifra também supera a média dos investimentos registrados pela Bahia nos quatro anos anteriores. 

Confirmando uma tendência que já se delineava desde o início do ano passado, o maior volume de investimentos em 2023, totalizando R$ 4,02 bilhões, foi direcionado à área social, que reúne as secretarias de Educação, Saúde e Segurança Pública. Também foram bastante expressivos os valores investidos na área de Infraestrutura: R$ 3,53 bilhões, aplicados pelas secretarias de Infraestrutura, Urbanismo e Infraestrutura Hídrica.

03

Segundo entre os estados No primeiro ano da gestão de Jerônimo, a Bahia manteve a performance das gestões anteriores e seguiu com o segundo lugar em investimentos entre os estados, atrás apenas de São Paulo, de acordo com os dados mais recentes do Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (Siconfi), da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

O Estado da Bahia, no entanto, apresenta um endividamento bem abaixo do paulista: segundo a Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA), até o segundo quadrimestre de 2023 a dívida baiana correspondia no final do ano passado a 21% da receita, o menor patamar em duas décadas e bem abaixo em comparação com a do estado mais rico do país, cujo endividamento estava em 116%.  

Imagem-do-Whats-App-de-2024-01-25-s-16-34-31-e089a675

Recursos próprios 

O secretário da Fazenda do Estado, Manoel Vitório, ressalta que os investimentos realizados pela atual gestão em 2023 contaram, principalmente, com recursos próprios, “já que o nosso Estado passou por um período relevante, nos últimos anos, em que, inexplicavelmente, não tinha acesso a operações de crédito”. Esta situação, observa, ajuda a explicar a forte queda do endividamento nos últimos anos. 

Ainda de acordo com Vitório, em 2024, a Bahia terá condições para dar sequência à pauta de investimentos, com o apoio de recursos de novos financiamentos, por ter retomado o acesso pleno ao crédito com a conquista da nota máxima em Capacidade de Pagamento, a Capag A, concedida pelo Tesouro Nacional. 

“Os investimentos públicos são estratégicos para a nossa economia e necessários para o bem-estar social”, afirma. “Vamos continuar investindo e mantendo o equilíbrio fiscal, conforme orientação do governador Jerônimo Rodrigues”, complementa, lembrando que a responsabilidade fiscal é um marca das últimas gestões governamentais no Estado da Bahia. 

Secom/BA