Fiéis roubam boi de estimação de pastor para fazer churrasco

13 de fevereiro de 2020, 15:03

“Não tenho nada contra a família, pedi para retirar queixa contra a família e disse que eles seguissem e me pagassem, sempre prego para eles, vão ao culto, sempre vão à igreja", disse o pastor (Foto: Arquivo pessoal)

Um boi furtado de dentro da propriedade do Pastor Raimundo de Oliveira deu o que falar nesta quinta-feira (13). O caso foi parar na delegacia de Cruzeiro do Sul, no Acre, após o religioso acionar a polícia e acusar dois vizinhos do furto, conforme apurou o portal G1.

O pastor contou que sentia um carinho especial pelo animal e o tratava como animal de estimação, inclusive o boi era chamado de Laranjinha.

“Toda tarde eu trocava ele de lugar e colocava água. Até que hoje de manhã [quinta,13] fui fazer um serviço e não o vi. Rodei o campo vizinho e não achei. Até que peguei a trilha e vi que tinham arrombado a cerca. Dava uns 200 metros da minha casa até onde o boi foi morto”, conta.

Após o dono do animal chamar a polícia e registrar o furto, dois vizinhos de Oliveira foram levados à delegacia. Os policiais conseguiram identificar os autores do furto e recuperar parte da carne.

“A PM foi acionada na BR-364 para atender o furto de um boi, conseguiu colher informações e identificar os autores. Foram presos dois indivíduos e recuperada parte da carne. O furto seria para fazer um churrasco”, conta o tenente Robson Belo, da PM.

Mesmo depois do caso resolvido pela polícia, o pastor disse que pretende retirar a queixa, desde que ele seja ressarcido no valor de R$ 3 mil.

“Não tenho nada contra a família, pedi para retirar queixa contra a família e disse que eles seguissem e me pagassem, sempre prego para eles, vão ao culto, sempre vão à igreja. A carne está na delegacia, mas eu prefiro que me devolvam o valor do boi, porque nem tenho como levar toda essa carne”, finaliza.

DIVULGUE A NOTÍCIA

Justiça multa Facebook em R$ 6,6 mi por compartilhar dados de usuários

OMinistério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou “prática abusiva” por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

Segundo nota publicada no site da pasta, “o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica”, que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que “as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas”. O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

VÍDEOS