EUA teriam tecnologia para ‘teletransportar’ pessoas a qualquer lugar do mundo

15 de dezembro de 2019, 19:31

Washington tem tecnologia que pode transportar pessoas para qualquer lugar do mundo em menos de uma hora, afirmou ex-militar norte-americano (Foto: Reprodução/Sputinik)

Segundo as declarações do ex-tenente-general da Força Aérea dos EUA Steven L. Kwast, o Exército dos EUA e seus parceiros industriais já desenvolveram tecnologias de última geração com potencial para mudar drasticamente o campo aeroespacial.

Esse desenvolvimento “pode ser construído hoje com tecnologias [não experimentais] para trazer uma pessoa de qualquer lugar da Terra para qualquer outro em menos de uma hora”, destacou Kwast em uma palestra recente em Washington.

O comentário, citado pelo portal The Drive, é apenas uma das curiosas declarações feitas pelo ex-militar, e parece indicar que podemos estar perto de um salto tecnológico em relação a transportes.

Tecnologia revolucionária

Na opinião de Kwast, essa tecnologia revolucionária tem o potencial de tornar obsoletas as capacidades aeroespaciais existentes.

Considerando os avanços de outras nações, como a China, o Exército dos EUA deve impulsionar o investimento em tecnologias espaciais, sugere o militar aposentado.

Ele propõe que Washington assuma um papel mais forte fora dos limites da terra, com o objetivo de garantir o domínio econômico americano.

“O poder do espaço mudará o poder no mundo para sempre”, ressalta.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS