Estudo: Seu cachorro não entende as suas expressões faciais

09 de outubro de 2020, 13:56

(Foto: Reprodução)

De acordo com um artigo publicado no último dia 5 no periódico científico Journal of Neuroscience, diferentemente do ser humano, cachorros não possuem uma região do cérebro responsável por compreender e reagir a expressões faciais. Assim, por mais que o dono possa achar que seu cãozinho sabe diferenciar entre seus humores pelo rosto, eles não desenvolveram habilidades nesse sentido.

O estudo baseou-se na análise de exames cerebrais de vinte cachorros de estimação, incluindo labradores e border collies. Para testar a reação dos animais às expressões, os cientistas lhes mostraram dezenas de vídeos de faces e nucas de pessoas e de outros cães.

Como resultado, os pesquisadores constataram que os pets respondiam mais às imagens de outros cães do que de seres humanos. Além disso, não havia diferença entre as reações dos cachorros às expressões faciais humanas e às partes de trás das cabeças das pessoas gravadas, indicando que os animais não diferenciam muito entre nossos rostos e nucas.

Segundo os cientistas, os resultados apontam que a face humana não possui grande papel na comunicação com os cães. Para esses animais, a análise do rosto serve apenas para determinar se se trata de uma pessoa, cachorro, gato, etc., e não para interpretar emoções ou comunicar sentimentos.

Apesar do avanço trazido pela pesquisa, especialistas reiteram a importância de se conduzir mais estudos acerca do assunto, que ainda é cercado de desconhecimento e mistério.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS