Estimativas apresentam crescimentos tímidos de municípios baianos. Jacobina no Piemonte da Diamantina perdeu cerca de 3 mil habitantes em dois anos

28 de agosto de 2019, 16:35

Em dois anos, Jacobina passou da 21ª posição, no ranking das maiores cidades da Bahia, para o 24º lugar (Foto: Gervásio Lima)

Dos mais populosos municípios baianos apenas Ilhéus teve perda de habitantes. A cidade do Litoral Sul baiano diminuiu cerca de 1,52% da população. Em 2018, a estimativa era de 164.844 e neste ano ficou em 162.327. A capital baiana Salvador teve aumento de 0,52%, saindo de 2.857.329 para 2.872.347 em 2019.

O segundo município mais populoso, Feira de Santana, aumentou de 609.913 para atuais 614.872, acréscimo de 0,83%. A terceira cidade com mais moradores no estado, Vitória da Conquista, teve 0,80% de crescimento. Saiu de 338.885 para 341.597 habitantes.

A estimativa da população brasileira divulgada nesta quarta-feira (28), pelo IBGE, mostrou que entre os 9 municípios pertencentes ao Território Piemonte da Diamantina apenas 3 perderam habitantes: Caém, Miguel Calmon e Várzea Nova. Já Jacobina passou de 80.394, em 2018, para 80.518, em 2019. O município teve um aumento de 124 moradores no período de um ano; mas com um déficit de 2.993, se comparado com a estimativa de 2017, quando a população era de 83.635. Em dois anos, Jacobina passou da 21ª posição, no ranking das maiores cidades da Bahia, para o 24º lugar, sendo ultrapassada pelos municípios de Serrinha ((80.861), Dias D´ávila (81.089), Guanambi (84.481), Candeias (87.076) e Luís Eduardo Magalhães (87.519).

Confira abaixo a população e a posição dos municípios do Piemonte da Diamantina:

Miguel Calmon (26.023 – 122º)
Umburanas (19.222 – 178º)
Mirangaba (18.338 – 192º)
Ourolândia (17.451 – 198º)
Serrolândia (13.397 – 275º)
Saúde 12.913 – 287º)
Várzea Nova (12.697 – 288º)
Caém (9.213 – 350º)

Veja quem ganhou e quem perdeu habitantes na comparação das estimativas de 2018 e 2019:

Ganharam:
Umburanas – 188
Mirangaba – 143
Ourolândia – 62
Serrolândia – 50
Saúde – 30

Umburanas – Bahia

Perderam:
Caém – 159
Miguel Calmon – 136
Várzea Nova – 75

Caém

Entre os maiores municípios da região Norte do Estado, estão Senhor do Bonfim (79.015 – 25º).e Irecê (72.967 – 27º).

As estimativas do IBGE são projeções feitas pelo instituto divulgadas ano a ano. O Censo Demográfico previsto para 2020 deve revelar dados mais precisos sobre as populações. No método, agentes censitários percorrem as cidades e fazem a contagem dos habitantes.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS