Esqueça as calorias. Saiba quais são os benefícios das uvas

19 de novembro de 2019, 06:38

As uvas devem fazer parte de um plano alimentar equilibrado (Foto: Reprodução)

As uvas são excelentes para o coração e ricas em antioxidantes que ajudam na redução do processo de oxidação do mau colesterol. Além disso, são um laxante natural pela presença de fibras dietéticas. 

As suas propriedades trazem múltiplos benefícios para a saúde e a sua versatilidade faz com que seja uma das frutas mais populares do mundo. Tanto pode ser consumida crua, em passas, serve para fazer geleias, sucos, xaropes e, claro, vinho.

Estão entre as frutas mais calóricas, mas não é por isso que deve deixar de consumi-las. Conheça os seus benefícios: 

Visão: Os antioxidantes presentes na uva ajudam na redução de ocorrência de doenças, tais como a degeneração macular e a catarata. Estes antioxidantes também ajudam a retardar o processo de oxidação e perda de visão.

Coração: As uvas aumentam o nível de óxido nítrico, que reduz a coagulação do sangue. Os flavonoides  presentes no fruto ajudam na redução do processo de oxidação do mau colesterol e na proteção das paredes das artérias em caso de  aumento da pressão arterial.

Pele: Por serem ricas em vitamina C, são excelentes para a saúde da pele. Os antioxidantes presentes nas uvas defendem o processo de oxidação dos radicais livres, desacelerando o processo de envelhecimento.

Cabeça: Muito úteis contra a enxaqueca e dores de cabeça, pois facilitam o transporte de oxigênio e nutrientes para essas células. 

 

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS