É falso teste que manda prender respiração para identificar Covid-19

08 de setembro de 2020, 11:53

specialistas afirmam que teste não serve como diagnóstico da doença. Ele tem sido atribuído a hospital na Índia, que nega autoria: 'Isso é fake'. (Foto: Reprodução)

Está circulando nas redes sociais uma mensagem acompanhada de um teste em forma de vídeo que propõe ao leitor prender a respiração por cerca de 25 segundos. O texto diz: “Se você conseguir prender a respiração até que o ponto vermelho se mova de A para B, você está livre de Covid-19 no momento. Teste simples e cobiçoso. Teste grátis sem nenhum custo. Ajude a salvar uma vida. Espere até que o ponto vermelho se mova para A antes de começar a prender a respiração”.

No entanto, a informação é falsa. No vídeo aparece um logo do Ananta Hospital, na Índia. Porém, o hospital revelou que o vídeo não foi compartilhado por eles e que trata-se de uma fake news.

O teste falso pode causar problemas maiores já que qualquer pessoa com uma doença respiratória tem dificuldade para prender a respiração. Asmáticos, pacientes com DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), que tenham pouco preparo físico ou sejam mais idosos podem não conseguir fazer esse teste, e isso não significa que eles estejam com Covid-19, já que é preciso considerar os sintomas clínicos para o diagnóstico total.

Por outro lado, pessoas com Covid-19 ‘leve’ poderão passar no teste falso sem dificuldades. Depende muito mais do preparo físico e cardiorrespiratório de cada pessoa. O diagnóstico continua sendo o laboratorial, seja através da sorologia ou pela detecção de partículas de RNA do vírus.

O pneumologista Rodolfo Fred Behrsin, professor do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, afirma que não existe qualquer relação com a capacidade de prender a respiração e o diagnóstico de Covid-19. “Imagina pedir para alguém com qualquer doença respiratória crônica para prender a respiração dessa forma? O diagnóstico de certeza continua a ser laboratorial, seja através da sorologia ou pela detecção de partículas de RNA do vírus. Qualquer invenção como a citada é falsa”, afirma.

“Com certeza é fake. O vídeo obriga você a fazer uma apneia (prender a respiração) durante aproximadamente 25 segundos. Muitas pessoas saudáveis não conseguirão ‘passar no teste’. Por outro lado, pessoas com Covid-19 ‘leve’ poderão passar no teste sem dificuldades. Depende muito mais do preparo físico e cardiorrespiratório de cada pessoa”, diz Celso Padovesi, pneumologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS