Durante entrevista para emissora de rádio de Salvador, prefeito eleito de Jacobina promete ‘fechar o ralo da corrupção’

18 de novembro de 2020, 10:58

Tiago Dias foi eleito prefeito com 19.207 votos (45,82%) (Foto: Reprodução)

O prefeito eleito de Jacobina, Tiago Dias (PC do B), foi o convidado desta quarta-feira (18) do Programa Isto é Bahia, da Rádio A Tarde FM de Salvador e apresentado pelos jornalistas Jeferson Beltrão e Fernando Duarte. O futuro gestor do município de pouco mais de 80 mil habitantes (segundo o IBGE) e 31ª economia do Estado da Bahia falou de sua trajetória política e de suas prioridades enquanto ocupar a principal cadeira do Executivo municipal.

Oriundo da zona rural, Tiago Dias chega ao ápice da política jacobinense com apenas 37 anos de idade, depois de ter exercido dois mandatos como vereador. Sua eleição já está sendo considerada como um dos maiores feitos políticos da região, por um agricultor rural, ex-mototaxista conseguir vencer grandes medalhões que alternavam o poder no município há várias décadas.

O jovem futuro prefeito ao ser questionado pelos jornalistas sobre o que a população pode esperar de seu governo, ratificou os principais motes da sua campanha eleitoral, a transparência e a participação popular. Fazendo questão de citar sua origem humilde na comunidade de Cachoeira dos Alves, onde nasceu e também da origem rural da sua vice-prefeita Kátia Alves que é natural do distrito de Itapeipú. “As novas lideranças agora são de fora para dentro e não mais de dentro para fora”, disse ao se referi a zona urbana e à zona rural”

Com relação à nova composição da Câmara de Vereadores, garantiu manter o diálogo dentro de um projeto político que proporcione condições de formular e inserir políticas públicas. “Acredito que não teremos vereadores de oposição pois o que eles querem nós também queremos, a melhoria da vida da população”, parafraseou.

Quanto aos prováveis ‘pecados’ que contribuíram para a não reeleição do atual gestor, Tiago citou a falta de aproximação com a população, o não cumprimento das obrigações administrativas e o desejo de mudança por parte da população, destacando inclusive o fato de mesmo com a união dos três últimos prefeitos da cidade a sua vitória foi inevitável. “Fizemos uma campanha como um espelho de como iremos governar, ouvindo a população, os desabafos, as críticas e os seus anseios”, relatou, dando como exemplo o diálogo que teve com uma eleitora, ”uma senhora de 83 anos que me pediu que não quer morrer antes de um carro estacionar em sua porta é uma amostra de aproximação com o povo”. Para validar sua probidade e compromisso político fez outro relato “uma criança disse que quando crescer queria ser igual a mim, mas um momento que me fez perceber o tamanho de minha responsabilidade. Tenho que ser exemplo”, concluiu.

Perguntado se existe um cenário de cofre público favorável, o futuro prefeito disse que irá trabalhar para ajustar as contas com responsabilidades nos gastos e para isso priorizará o planejamento, elegendo prioridades a partir de uma gestão transparente e principalmente “tapar o ralo da corrupção”. “Nosso compromisso número um será a transparência, a verdade”, salientou.

Para alavancar a economia Dias elencou algumas ações, como a segurança jurídica e desburocratização governamental para atrair novos empreendimentos para a cidade e facilitar a relação entre os que já existem. Entre as intervenções estaria a de inserir o alvará digital. O próximo timoneiro de Jacobina prometeu ainda ‘trabalhar com firmeza’ para fortalecer o segmento do turismo e da agricultura, as duas principais atividades ‘naturais’ do município.

Sobre os impactos da pandemia, Tiago prometeu criar um comitê de crise com as participações da sociedade civil e os poderes públicos constituídos do município, para buscar um entendimento e a elaboração de ações de enfrentamento. “Nossas decisões serão coletivas, se errar todos errarão e se acertar todos acertarão”, destacou.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS