Dona de farmácia é presa por tentar vender remédio ‘anticoronavírus’

10 de março de 2020, 07:42

Proprietária de farmácia em João Pessoa foi presa após anunciar venda de medicamento “anticoronavírus” (Foto: Divulgação/Ministério Público)

Uma mulher, proprietária de uma farmácia de manipulação em João Pessoa (PB), foi presa em flagrante na tarde de hoje após denúncias apontarem que o estabelecimento estava anunciando a comercialização de um medicamento que prometia prevenir o coronavírus.

Após a propaganda ser publicada em um perfil do estabelecimento no Instagram, o local foi interditado após passar por vistoria do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público (MP-Procon), das Vigilâncias Sanitárias do Estado (Agevisa), da Polícia Civil e da Receita Estadual.

“A melhor solução para o tão temido coronavírus é se prevenir aumentando sua imunidade. Por isso, trouxemos para vocês um poderoso complexo para dá aquele UP na sua imunidade e não deixar esses vírus nem passar perto de você”, prometia o anúncio feito pela farmácia.

A propaganda ainda mostrava os compostos do medicamento, dentre os quais estão extrato de semente de uva, vitamina A e resveratrol.

Segundo o Ministério Público, não foram encontrados frascos do medicamento, que estava sendo vendido pela internet. O órgão não informou quantas pessoas teriam comprado o medicamento.

A dona da farmácia, que também é perita da Polícia Civil, foi presa em flagrante. Já o estabelecimento foi interditado porque a licença sanitária estava vencida. Durante a operação, as autoridades também identificaram várias substâncias com prazo de validade expirado. Ainda de acordo com o Ministério Público, a farmácia utilizava matéria-prima vencida para fazer as fórmulas.

A dona do estabelecimento alegou aos policiais que tudo não passou de um mal-entendido e que a postagem que anunciava o produto teria sido feita erroneamente por uma empresa de marketing contratada para fazer a propaganda do estabelecimento. A reportagem tentou entrar em contato com a acusada por três números de telefone vinculados à farmácia, mas as ligações não foram atendidas.

Segundo as autoridades em saúde, ainda não existem medicamentos capazes de combater ou evitar o coronavírus. Até esta segunda-feira, a Paraíba contabiliza quatro casos suspeitos de coronavírus.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS