Descongestionante nasal pode piorar o glaucoma

16 de novembro de 2018, 11:32

Uso indiscriminado dificulta a circulação sanguínea, de colírio e humor aquoso nos olhos, além de causar outras alterações na saúde (Foto: Reprodução)

Mal começou a esfriar e 1.326 brasileiros já contraíram gripe pelo vírus influenza desde janeiro. Pior: Até agora são 214 óbitos em todo o país, sendo 128 pelo H1N1, conforme o último boletim do Ministério da Saúde.

A chegada de dias mais frios e secos aumenta a incidência das doenças respiratórias e entope o nariz. Resultado: Muita gente usa descongestionante nasal como se fosse água. Segundo o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier a maioria dos remédios para nariz contraem os vasos do corpo todo e é por isso que alivia o entupimento.

“O problema é que a medicação provoca inflamação nas paredes internas das narinas, o efeito passa rápido e para diminuir o desconforto é necessário pingar o remédio em intervalos cada vez menores”, afirma.

Por isso, alerta, pode piorar o glaucoma, maior causa de perda definitiva da visão que afeta cerca 2% da população segundo o CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia).

Efeito nos olhos

Queiroz Neto explica que o glaucoma é uma doença crônica que não causa dor ou qualquer sintoma no início. Quanto antes for diagnosticada maiores são as chances de manter a visão. “A elevação da pressão intraocular causada pelo bloqueio do escoamento do humor aquoso, líquido que preenche o globo ocular, é o principal fator que provoca a morte das células ganglionares da retina e seus axônios, as fibras do nervo óptico. A morte dessas células que leva à perda permanente da visão periférica” afirma.

Também contribui com a progressão da doença a baixa perfusão ocular, ou seja, a menor circulação sanguínea, de humor aquoso e medicamento, salienta. “É por isso que ao contrair todos os vasos do corpo, inclusive do globo ocular, o uso prolongado de descongestionante nasal piora o glaucoma”, destaca. Isso explica porque algumas pessoas que usam corretamente os colírios antiglaucomatosos têm progressão da perda visual”.

Quem deve estar atento

O oftalmologista ressalta que os principais grupos de risco para desenvolver o glaucoma são as pessoas de raça negra, portadores de alta miopia, diabetes, quem tem mais de 40 anos, córnea fina, já passou por trauma ocular ou possui familiares com a doença. Por prevenção, afirma, estes grupos devem fazer exame de vista periodicamente. Isso porque, é necessário perder mais de 40% dos axiomas do nervo óptico para que a redução do campo de visão seja percebida e o custo do tratamento é três vezes maior quando a doença já está em estágio avançado.

A dica do médico para aliviar o nariz entupido é higienizar com soro fisiológico de manhã e à noite. Não desaparecendo o sintoma, recomenda consultar um otorrino para descobrir a causa. Isso porque, além de agravar o glaucoma, o uso de descongestionante pode causar hipertensão arterial e doenças cardíacas.´

Colírio gratuito

Queiroz Neto afirma que tanto os colírios como as medicações orais para glaucoma são distribuídos gratuitamente nas farmácias de alto custo. Para ter acesso é necessário apresentar cópia do CSN (Cartão Nacional de Saúde) que pode ser retirado no centro de saúde mais próxima da residência do requerente, laudo preenchido pelo médico, receita em duas vias, termo de consentimento do paciente, cópias do RG, CPF e comprovante de residência. Os modelos tanto do laudo médico como do termo de consentimento encontram-se disponíveis nos sites das secretarias de saúde de cada cidade. A liberação demora de 14 a 45 dias.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS