Cursos on-line grátis: dez opções para estudar sem sair de casa

22 de março de 2020, 09:50

Passo a passo para criar uma pequena horta está entre as opções de cursos na internet (Foto: Luis Gomes/Reprodução)

Horta em pequenos espaços

A Gyn Cursos ensina todo o passo a passo para montar uma horta dentro de casa, a começar pela escolha do local e do vaso. As lições em vídeo são gratuitas e nelas é demonstrado como plantar mudas e sementes, controlar pragas, cultivar legumes, frutas e temperos e realizar a colheita. bit.ly/pequenahorta

Finanças pessoais

Para que você aprenda mais sobre quais são os tipos de investimento, entenda sua relação com o dinheiro e saiba como organizar o orçamento pessoal e familiar, o Banco Central do Brasil disponibiliza um curso gratuito com vídeos, carga horária de vinte horas e certificado emitido pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap). bit.ly/GestãoFin

Ioga

Por meio de vídeos e slides, as aulas gratuitas do Learncafe explicam a origem da ioga, conjunto de práticas físicas e meditativas. Em quinze módulos, o site descreve os estilos principais e ensina algumas posturas e sequências de respiração. Um dos capítulos cita, ainda, os benefícios mentais e físicos para quem adota a prática periódica dos exercícios. bit.ly/iogaonline

Duolingo

Com mais de 2 milhões de usuários no Brasil, a plataforma ensina idiomas em atividades gratuitas e frases que simulam situações rotineiras, como sair para fazer compras, viajar e pedir informações na rua. Para falantes nativos de português, há seis opções: inglês, espanhol, francês, italiano, alemão e esperanto, língua artificial inventada no século XIX. bit.ly/duocursos

Animação

Em parceria com a Khan Academy, o estúdio Pixar oferece um curso gratuito sobre animação, modelagem de personagens e outras técnicas inspiradas nos famosos curtas e longas-metragens lançados pela marca. Com testes de múltipla escolha e vídeos dublados, as aulas são divididas em sete capítulos, apresentados por Alex e Fran, funcionários da empresa. bit.ly/pixaranimação

Exercícios físicos

Em três unidades, as aulas gratuitas do site Cursos Escola Educação seguem um modelo simples de textos e ilustrações, que demonstram as posições de cada exercício. A primeira parte ensina técnicas de aquecimento e alongamento, e o restante do curso é dedicado à ginástica localizada, aos exercícios de fortalecimento e musculação e às práticas aeróbicas e de relaxamento. bit.ly/exercasa

Curso explica conceitos básicos de fotografia, como foco e iluminação

Twomeows/Getty Images Curso explica conceitos básicos de fotografia, como foco e iluminação

Fotografia

Da plataforma Udemy, o curso gratuito compreende noções básicas e avançadas de fotografia, com instruções para aprender a configurar a câmera, dicas sobre técnicas de enquadramento, foco e iluminação e uma introdução à história e evolução da prática fotográfica. O conteúdo, que inclui vídeos e artigos, é dividido em 55 aulas. bit.ly/fotoudemy

Guitarra

Este pode ser o momento perfeito para retomar os planos de estudar um novo instrumento musical, como a guitarra elétrica e o violão. No Coursera, a Faculdade Berklee de Música ensina os fundamentos essenciais para aprender a tocar os dois, em um programa para iniciantes com material de leitura e vídeos práticos. São cerca de dezesseis horas de aulas, divididas em seis semanas. Tudo de graça. bit.ly/violaguitarra

Maquiagem

Por R$ 39,90, o curso conduzido por Andreia Venturini é composto de 35 aulas em vídeo. Além de dar dicas de produtos, uso dos pincéis e preparação da pele, a maquiadora ensina técnicas de iluminação, aplicação de glitter, como disfarçar olheiras e até um delineado em cores neon. bit.ly/makeandreiave

Codificação

Não faltam aulas de tecnologia e programação gratuitas na internet, muitas delas oferecidas por grandes instituições. Na plataforma Google Ateliê Digital, o curso para iniciantes é conduzido por tutoriais em vídeo, dicas práticas e avaliação no fim de cada atividade. Com uma hora de duração, nele são apresentadas as funções e princípios básicos das linguagens em código. Aulas de marketing digital, dados e desenvolvimento de carreira também integram o catálogo do site. bit.ly/codgoogle

Os 7 alimentos que são ladrões de energia

Você provavelmente já ouviu falar e leu bastante sobre alimentos e suplementos que aumentam sua disposição e te deixam mais animado para encarar um treino ou até mesmo as tarefas do dia a dia. Mas também existe o outro lado dessa moeda. Não faltam vilões neste mundo na nutrição: os alimentos que são ladrões de energia e podem atrapalhar bastante sua rotina na corrida ou até mesmo se tornar um obstáculo numa prova.

Esses “ladrões” de energia atuam de diferentes maneiras no organismo. Em alguns casos, oferecem tanto açúcar que, num primeiro momento, essa elevada taxa de glicose resulta em mais disposição, mas, logo em seguida, a insulina liberada para normalizar essa glicose faz justamente o caminho contrário. E aí o cansaço chega com tudo.

Também tem aqueles alimentos que dão tanto trabalho para o sistema digestivo que muitos nutrientes são desviados para ajudar nesse processo, fazendo com que eles faltem na produção de energia em outras funções do organismo. Resultado: o corpo logo sente essa queda de disposição.

Para te ajudar a evitar esse cansaço causado pela má alimentação, acionamos três especialistas para fazer uma lista dos maiores ladrões de energia, suas principais armas e como combatê-las. Confira!

Os ladrões de energia 

Carboidratos simples

Alimentos com farinhas brancas vão roubar energia se consumidos em excesso. “Em um pré-treino, por exemplo, são aliados, mas viram vilões se não houver uma atividade física depois”, pondera Mayara Ferrari, nutricionista funcional esportiva. “Isso acontece porque a quantidade de açúcar no sangue fica muito elevada e o pâncreas libera mais insulina para quebrar todos esses carboidratos. Isso pode causar uma grande redução de açúcar no sangue, resultando em fadiga e falta de energia.”

Sal

Aquele sal extra para dar mais gosto à comida pode te deixar mais cansado. Em quantidade exagerada, o sal aumenta a pressão arterial e deixa o organismo mais desidratado porque mais água é necessária para compensar. “Ele prejudica o funcionamento adequado do organismo, que ficará a todo momento buscando esse equilíbrio. Isso dará uma sensação de cansaço e fadiga. Esporadicamente um pouco de sal não tem problema, mas abusar dele diariamente ou usar em grande quantidade é bastante prejudicial”, adverte Mayara.

Alimentos gordurosos e frituras

A gordura em excesso dificulta a digestão e atrapalha a chegada dos nutrientes à corrente sanguínea. “Como possuem uma digestão mais
lenta, eles fazem com que a circulação se concentre na região abdominal por mais tempo. Isso causa uma sensação de letargia e sonolência durante a digestão, que pode passar de três horas. E isso não é bom para quem vai se exercitar, pois precisará de boa circulação nos membros”, alerta a nutricionista Lara Natacci.

Doces

A lógica nesse caso é parecida à dos carboidratos simples: como eles são ricos em açúcar, dão um pico de energia no primeiro momento porque aumentam a quantidade de glicose no sangue, mas se a pessoa não for praticar uma atividade física logo em seguida, essa disposição logo pode virar cansaço. “O organismo vai aumentar a secreção de insulina para normalizar a glicemia, que é a quantidade de glicose no sangue. Por isso, a sensação de aumento de energia deve durar pouco e dar lugar à fadiga”, reforça Lara Natacci.

Café

O café, um dos estimulantes mais populares, também pode roubar sua energia. Ele realmente gera mais disposição num primeiro momento, mas sua ação no sistema nervoso tem como um dos efeitos a fadiga. “A cafeína, no cérebro, obstrui os efeitos da adenosina, substância que ajuda na transferência de energia e na promoção do sono, dando o efeito estimulante”, explica André Lemos, médico nutrólogo. “Por outro lado, também inibe a degradação da acetilcolina, que aumenta o estímulo muscular. E a consequência disso são o cansaço e a debilidade”, completa.

Corantes e conservantes

Presentes em muitos produtos industrializados, como nuggets, embutidos (salame, presunto, mortadela, peito de peru) e salsichas, eles
modificam o funcionamento adequado do organismo, que tenta repor o que os corantes “tiram” no processo de digestão. “Eles causam uma cascata de processos inflamatórios e oxidantes. Para reverter essa situação, disponibilizamos muitas vitaminas e minerais, fazendo com que o restante do organismo não funcione adequadamente”, destaca Mayara.

Refrigerante

O refrigerante é um dos “ladrões de energia” mais temidos. Alguns maratonistas e ultramaratonistas o utilizam durante provas quando já estão acostumados a seus efeitos, inclusive psicológicos, mas, para o organismo, eles não têm nada de “bonzinhos”. Isso porque o refrigerante, em geral, tem tudo em excesso: açúcar, sódio e corantes. Assim, desencadeia todos os processos já descritos de uma só vez. Além disso, estudos apontam que o refrigerante ainda pode atrapalhar o padrão de sono, prejudicando o descanso e interferindo na disposição.

VÍDEOS