Cuba envia médicos a 23 países para ajudar no combate ao coronavírus

13 de maio de 2020, 13:36

Médicos cubanos que atuavam em unidades básicas de saúde de pequenos municípios e comunidades indígenas no Brasil (Foto: Reprodução)

O Ministério das Relações Exteriores de Cuba informou que o país envia médicos para 23 países para ajudar no combate à pandemia de covid-19. Entre eles estão o México, a Nicarágua, a Venezuela e a Itália – 1 dos países com maior número de mortes na Europa. O Brasil não é 1 dos beneficiados.

“Com esta imagem reconhecemos o trabalho de todos os nossos profissionais da saúde”, escreveu o ministério de Cuba no Facebook em 5 de maio. A pandemia de covid-19 é 1 problema mundial. De acordo com o site Wordometer, a doença causada pelo novo coronavírus já causou 294.235 no mundo.

© Fornecido por Poder360

Os médicos cubanos prestavam assistência ao Brasil até 2019, quando o programa Mais Médicos –que determinava o vínculo empregatício– foi substituído “Médicos pelo Brasil”, elaborado pelo presidente Bolsonaro.

O Mais Médicos, criado em 2013 na gestão da ex-presidente petista Dilma Rousseff (2011-2026), era criticado por Bolsonaro. O militar duvidava da qualificação dos médicos cubanos e disse que exigiria uma série de medidas para provar que os profissionais tinham capacitação para continuar a atuar no Brasil. Isso fez com que fez Cuba abandonasse a iniciativa. A saída de 8.500 médicos do país criou uma cris em municípios. O presidente também chegou a dizer que os cubanos buscavam “fazer núcleos de guerrilha no Brasil”.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS