Cruzeiro recusado por 5 países com receio de coronavírus atracará no Camboja

12 de fevereiro de 2020, 11:50

O MS Westerdam, com 2.257 pessoas a bordo, foi proibido de atracar nos portos de Taiwan, Japão, Guam (território insular dos EUA), Filipinas e Tailândia (Foto: AP Photo / Jae C. Hong)

As autoridades do Camboja aceitaram receber um cruzeiro recusado por cinco países do Sudeste Asiático em meio a temores de que alguns de seus passageiros possam estar infectados pelo coronavírus.

O MS Westerdam, com 1.455 passageiros e 802 tripulantes a bordo, chegará ao porto cambojano de Sihanoukville nesta quinta-feira (13), comunicou a companhia operadora Holland America Line, segundo a agência Reuters.

O barco saiu em 1º de fevereiro do porto de Hong Kong, onde já foram confirmados mais de 49 casos do coronavírus, e em duas semanas deveria visitar vários portos de Taiwan e Japão. Seu ponto final deveria ser o porto japonês de Yokohama, onde deveria atracar neste sábado (15).

Contudo, dias após o início da viagem, o governo japonês anunciou que não deixará a embarcação atracar em seus portos. As autoridades de Taiwan, Guam (território insular dos EUA), Filipinas e Tailândia fizeram o mesmo.

A operadora divulgou que o navio “não está em quarentena”, e salientou que “não há motivos” para acreditar que alguém a bordo esteja infectado com o 2019-nCoV, que já levou a vida de mais de mil pessoas.

Desde 3 de fevereiro, outro cruzeiro, o Diamond Princess, se encontra em quarentena no porto japonês de Yokohama, perto de Tóquio, assim que foi descoberto um caso positivo de infecção de um passageiro. O número total de infectados no mundo a bordo supera 170.

DIVULGUE A NOTÍCIA

Justiça multa Facebook em R$ 6,6 mi por compartilhar dados de usuários

OMinistério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou “prática abusiva” por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

Segundo nota publicada no site da pasta, “o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica”, que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que “as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas”. O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

VÍDEOS