Cruzeirense é multado por manter filhotes de raposa em cativeiro para dar sorte ao time

04 de dezembro de 2019, 16:03

Homem mantinha os filhotes em um galinheiro vazio (Foto: Reprodução)

Já que em campo está difícil, o jeito é apelar para a sorte. Foi o que fez o lavrador Maurício de Freitas Francisco, de 30 anos, do município de Mamonas, no Norte de Minas, conforme informação de um policial militar. Ele foi flagrado pela Polícia Militar de Meio Ambiente com três filhotes de raposa. O lavrador revelou para os policiais que é torcedor fanático do Cruzeiro e criava os filhotes por acreditar que isso daria sorte para que a equipe celeste consiga livrar-se do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. 

A raposa é a mascote do Cruzeiro, que vive uma situação difícil na série A do Brasileirão, com grande risco de cair para a série B. Para escapar do rebaixamento, o time celeste (17º colocado) precisa vencer os seus dois últimos jogos e ainda torcer para que o Ceará (16ª posição) não vença os suas duas partidas na competição. 

ocorrência foi registrada na tarde de terça-feira. De acordo com a PM, o torcedor mantinha os animais em galinheiro no sítio da família na localidade rural de Pau Preto, a 2 quilômetros da sede urbana de Mamonas. O galinheiro não tinha galinhas ou algum galo, mascote do Atlético, rival do Cruzeiro. 

Maurício de Freitas recebeu multa no valor total de R$ 4.877,10 (R$ 1.625,70 por cada filhote). Ele não ficou preso e foi  intimado a comparecer na delegacia de policia civil de Espinosa (30 quilômetros de Mamonas), nesta quarta-feira, sendo que deverá responder o processo em liberdade.  

Os filhotes de raposa fora encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Montes Claros , na mesma região.  Dentro de algum tempo, os animais  serão levados de volta à natureza. 

O caso virou o principal assunto das rodas conversas em Mamonas, que tem 6, 5 mil habitantes, distante 687 quilômetros de Belo Horizonte, gerando discussão entre outros cruzeirenses.  É o caso da engenheira civil Debora Ellen Alves. Ela disse que não concorda com a atitude do lavrador de infrigir as leis ambientais, mas que a atitude dele demonstra a forte paixão da torcida cruzeirense. “Realmente, a nossa torcida faz tudo para ajudar o nosso time, seja na vitória ou na derrota”, afirma Debora. Ela disse que está confiante de que o Cruzeiro vai escapar do rebaixamento.

Outra moradora de Mamonas igualmente torcedora do Cruzeiro, a secretária escolar D. declarou que  não aprovou o ato do seu conterrâneo de manter animais silvestres em cativeiro, despeitando as leis ambientais e que também não acredita que o ato de criar filhotes de raposa pode dar sorte ao time. Porém, ressaltou a paixão do torcedor e a esperança dele de que o Cruzeiro possa permanecer na série A do Brasileirão. “Nós, cruzeirenses, acreditamos até a última hora”, afirmou a moradora de Mamonas.

Principais sintomas físicos e mentais da abstinência de nicotina

A síndrome de abstinência de nicotina provoca inúmeros sintomas nos ex-fumantes. Contudo, explica um artigo publicado no portal Melhor Com Saúde, esses efeitos colaterais variam em intensidade dependendo da pessoa. 

O fato da nicotina ser uma droga muito viciante faz com que o hormônio conhecido como dopamina seja liberado no cérebro – este hormônio é responsável por aumentar a sensação de prazer e bem-estar. E como tal, o organismo reage negativa e violentamente à ausência da droga.

Ainda assim, a síndrome de abstinência de nicotina não representa qualquer risco para a saúde. Estima-se que os sintomas associados à condição afetam até 85% dos ex-fumantes. 

Os sintomas desta síndrome variam, mas, sem dúvida alguma, o mais comum é a vontade de fumar que pode surgir na presença de múltiplos estímulos, como por exemplo ver outra pessoa fumar, ou inclusive sem uma causa aparente.

Os principais sintomas da síndrome de abstinência da nicotina são os seguintes, de acordo com o portal Melhor Com Saúde:

Sintomas físicos

Aumento do apetite
Tosse
Boca seca
Dor de cabeça
Tontura
Fadiga
Coriza (inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo)
Dor de garganta, na língua ou gengivas
Sensação de aperto no peito
Ganho de peso
Frequência cardíaca mais lenta ou bradicardia
Obstipação
Hipotensão

Sintomas mentais

Ansiedade, inquietação e irritabilidade
Dificuldade em se concentrar
Insônia e dificuldade para dormir bem
Raiva e frustração
Depressão
Desânimo
Mau humor

Os sintomas da síndrome de abstinência da nicotina normalmente duram de 4 a 12 semanas e surgem nas primeiras 12 a 24 horas após parar de fumar. 

Os especialistas explicam que a fase mais critica são as primeiras duas a três semanas de cessação tabágica. Sendo que os sintomas começam gradualmente a desaparecer e, com o tempo o indivíduo aprende a controlar o desejo de fumar. 

VÍDEOS