Covid: Os 5 sintomas mais comuns nas crianças, que diferem dos adultos

10 de setembro de 2020, 14:25

O aplicativo demonstra que 52% das crianças em idade escolar que testaram positivo para o vírus não sofreram com os sintomas típicos que mais afligem os adultos (Foto: Reprodução)

Crianças que testam positivo para o novo coronavírus SARS-CoV-2 não manifestam a maioria dos sintomas ‘clássicos’ dos adultos, de acordo com dados apurados pelo aplicativo Covid Symptom Tracker. Informações provenientes do app criado pela universidade britânica King’s College, em Londres, revelam os cinco principais sintomas de Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, nos mais novos. 

O aplicativo demonstra que 52% das crianças em idade escolar que testaram positivo para o vírus não sofreram com os sintomas típicos que mais afligem os adultos. 

Entretanto, um terço das crianças infectadas jamais manifestaram nenhum dos 20 sintomas incluídos no app, que incluíam dores musculares e confusão mental, e os especialistas sugerem assim que tal pode significar que muitos dos menores são assintomáticos. 

Ou seja, não padecem de qualquer tipo de sintomas. 

Já na semana passada o professor Tim Spector, que liderou a equipe de investigadores que criou o aplicativo, tinha avisado, em declarações ao jornal The Sun, que os pais necessitam estar em estado de alerta e vigilantes ao mandarem os filhos de volta à escola, já que muitos manifestam sintomas distintos dos adultos. 

Os dados recolhidos pelo app revelaram que o principal sintoma de Covid-19 que afeta as crianças é a fadiga. 

A informação é baseada na análise de 198 crianças que testaram positivo para o novo coronavírus SARS-CoV-2 e cerca de 15,800 testes negativos. 

Das 198 crianças infectadas 55% sofriam de fadiga acentuada. 

Dor de cabeça foi o segundo principal sintoma, com 53% de incidência; de seguida registrou-se a febre com 49% de afetados; entretanto 38% sofriam de dor de garganta e 35% de perda de apetite. 

Mais ainda, o app registrou que 15% das crianças que haviam testado positivo também apresentavam um tipo de erupção cutânea fora do normal. 

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS