Contato com plástico na gravidez afeta fertilidade por gerações

19 de março de 2018, 15:32

(Foto: © DR)

Os cientistas estudaram o efeito do ftalato de di- (2-etilhexil) (DEHP), encontrado em produtos industriais e de consumo.

Uma pesquisa divulgada no sábado (19) no 100º encontro anual da Sociedade Endócrina, em Chicago, nos Estados Unidos, os cientistas estudaram o efeito do ftalato de di- (2-etilhexil) (DEHP). O material é encontrado em produtos industriais e de consumo, incluindo tubulações e tubos de policloreto de polivinila (PVC), cosméticos e brinquedos de plástico.

Apesar de o impacto da ingestão de partículas de plástico ainda não ser conhecido pela ciência, um novo estudo mostrou que a contaminação pode afetar a fertilidade dos homens por gerações.

Apesar de o impacto da ingestão de partículas de plástico ainda não ser conhecido pela ciência, um novo estudo mostrou que a contaminação pode afetar a fertilidade dos homens por gerações.

Apesar de o impacto da ingestão de partículas de plástico ainda não ser conhecido pela ciência, um novo estudo mostrou que a contaminação pode afetar a fertilidade dos homens por gerações.

A equipe deu a camundongos fêmeas grávidas quatro doses de DEHP a partir dos 11 dias após a concepção até o nascimento. Como resultado, os camundongos machos expostos ao DEHP ainda no pré-natal tinham significativamente menos testosterona no sangue e menos esperma em seu sêmen. Consequentemente, eles perderam a fertilidade em uma idade em que normalmente seriam férteis.

Como explicou o ‘Viva bem’ do ‘UOL’, gerações futuras foram analisadas e os pesquisadores continuaram encontrando baixa fertilidade nos animais cuja “origem” foi um camundongo exposto ao plástico.

Apesar de o motivo para isso ainda não ser conhecido, os cientistas suspeitam que as substâncias químicas encontradas no DEHP (e consequentemente nos produtos de plástico) perturbam os hormônios do corpo.

Como aumentar a imunidade rapidamente 

Para aumentar a imunidade rapidamente deixando o corpo mais forte no combate aos agentes agressores deve-se:

Adotar bons hábitos de saúde, realizando atividade física, dormindo adequadamente e evitando situações de estresse;

Evitar o cigarro ou estar exposto ao cigarro;

Expor-se ao sol diariamente, de preferência até as 10 horas da manhã e depois das 16 horas, sem protetor solar, para aumentar a produção de vitamina D no organismo;

Consumir alimentos saudáveis e manter uma dieta equilibrada, que inclua o consumo de frutas, verduras e legumes, de preferência orgânicos ou produzidos em casa sem agrotóxicos;

Evitar ao máximo fast food e alimentos industrializados e comidas congeladas como pizzas e lasanhas, por exemplo, pois contém substâncias que promovem a inflamação do organismo;

Evitar tomar remédios sem orientação médica;

Beber cerca de 2 litros de água mineral ou filtrada todos os dias. 

Além disso, caso tenha alguma doença causada por vírus, como gripe, por exemplo, é importante evitar frequentar lugares públicos fechados, como shopping, teatros e cinemas, além de ser importante lavar as mãos frequentemente com água e sabão, assim como evitar tocar os olhos, nariz e a boca com as mãos sujas. Dessa forma, é possível reduzir o risco de adquirir a doença e de haver o desenvolvimento de complicações, principalmente no caso da pessoa possuir o sistema imunológico mais fraco.

VÍDEOS